MENU

1 de fevereiro de 2013 - 19:16Crônica

10

SÃO PAULO | Eu nunca fui um cara muito conformado em ouvir problemas dos outros como se fosse um psicólogo financeiro e resolver buchas sem ganhar a mais por aquilo, ainda vestindo roupa social, comendo 15 minutos às pressas e tendo uma rotina chata. Ser concursado no maior banco do Brasil é o sonho da geração dos nossos pais e de muitos da minha, que têm a certeza da mamata oriunda de um órgão público. Já no primeiro dia que pus o pé na agência, uma véspera de Natal, havia um plano B guardado: um provável trabalho num site de automobilismo.

Já tinha conhecido as instalações do site. Paulista, frontal à faculdade que não fiz por 2 pontos na redação, uma conversa rápida de dez minutos com o dono da coisa toda, e só me restava esperar. Agradável aquele lugar, pensei, cheio de carrinhos, quadros, meio despojado, sem uma máquina de café, mas interessante. Legal.

Até que veio o e-mail, visto em tempos de acesso à internet depois das 21h, tarifa reduzida, de que Everaldo Marques estava de saída para a Jovem Pan e precisavam de alguém para seu lugar. “Quer entrar no lugar dele no fim de semana?”, “Claro que sim”, e era sábado, 1º de fevereiro de 2003, a porta aberta por Tales Torraga, e quando fechada, ali o papel sulfite A4 preso no lado laranja. “Você já lembrou de…”, e uma série de itens que se seguiam, e que naquela hora não eram de muita valia e atenção, e o Tales me apresentou ao computador preto, prazer, e lá fui eu fazer a primeira notícia, do FW25. Torraga fez algumas alterações no meu texto, parti para a segunda notícia, da Sauber, e um helvético que escrevi foi podado. No fim do expediente, vi bem que a última das frases daquela folha pendurada era “…agradecer o chefe que tem?”. Sorri.

Voltei e continuei no domingo e tudo mais, e nos outros finais de semana de fevereiro e março, alô, alô, ligou o chefe depois do GP da Austrália que abria a temporada, e eu, naquela vida cansativa sem folga atrelada ao banco, ouvia que o Tales havia pedido pra sair. “Você topa entrar no lugar dele e sair do banco?”, “Claro que sim”, e pedi demissão do mundo engravatado para poder escrever helvético, helênico, danês ou teutônico à vontade.

Veio Rodrigo Borges para formar dupla comigo no trabalho. Baita cara, baita jornalista, baita amigo. Ensinou muita coisa, e no meio das labutas incessantes, ainda sem máquina de café, havia a Dona Maria que ia limpar a redação, a pizza da segunda-feira do programa em vídeo, o óculos incatupírivel, o festival de pataquadas (assim mesmo) via internet e o chefe que conhecia o mercado. Borges se mandou no fim de 2005 e abriu espaço para Thiago Arantes. Logo também surgiu Julyana Travaglia, engatinhando na profissão. Aí olho no que os dois se transformaram: Thiago, esse monstro da escrita, lá na ESPN, e a Julyana, na Globo, produtora, depois de passar um tempo no site da casa. E Borges, esse incansável, brilhante em tudo, do Destak à Revista ESPN, seus mil blogs e ideias, sem deixar de lado a música.

Arantes e Travaglia se foram, vieram Bruno Vicaria e a seleção que criei para pegar novatos jornalistas, O Grande Estagiário. Não deu muito certo no sentido de que um dos vencedores da primeira edição, Rafael Sola, o Mindu, era arquiteto. Mas escrevia bem, o rapaz. E trouxe à baila Marcelo Freire, o Tuvuca. O que tinha de cabeça dura, tinha de bom profissional. Mindu, então, naquele jeito tranquilo dele, a mesma coisa. Daí se foram. Tuvuca está hoje na Revista Duas Rodas; o Mindu seguiu lá para sua área, e bem.

Aí no intervalo, o chefe me aparece com a notícia de que uma moça lá de Curitiba, boa, estava procurando trabalho e ia integrar a equipe, e não sei o quê, “quem é ela?”, “Evelyn Guimarães”. OK.

Da segunda edição do ‘GE’ surgiram dois não paulistas num processo de expansão das fronteiras do trabalho. Marcus Lellis e Francisco Luz. Duas figuras. O primeiro, putz!, cada treta, rapaz. No fundo, era engraçado. Um provocava o outro. O gaudério, jogaram a receita fora. Os dois saíram, Marcus enveredou para a assessoria de eventos esportivos na Reunion/XYZ, depois de times de vôlei, basquete, não sei bem, e o Chico foi ser editor-picão do Jornal NH. Agora tá cuidando da edição do Lance! local. Fodão dos pampas, em suma. Grandes amigos hoje. Felipe Paranhos e Marcelo Ferronato foram os vencedores do terceiro ‘GE’, e enquanto a equipe ia mesclando, Vicaria saía rumo ao Tazio e misturando a vida com assessoria, e logo Ferronato ia ganhar o mundo para depois cair na P&G e aparecer do ladinho de Roger Federer, ui, ui, ui, e seu tour.

Outro intervalo, o chefe me surge com um projeto paralelo da Bridgestone, coproduzido com uma moça lá de Xerém, pacata, na dela, Luana Marino. O projeto acabou, e ela foi incorporada à equipe. Luana, Luana. Saudade dela. Tá lá, cuidando da irmã, fazendo jornalismo e vendo os salgados da loja dos pais.

Quarto ‘GE’, três na leva: João Paulo Borgonove, Fernando Silva e Felipe Giacomelli. A melhor coisa que o Borgo tem na vida é o Hennin, um galo cego. E uma história com abacate. Vez ou outra, ele aparece. Pediu arrego. Grande cara. Paranhos também se foi, levando consigo dores nas costas, dores nas pernas e outras dores. E a certeza de que seria bom no que faria lá na Bahia. Na quinta edição, duas moças, enfim, Juliana Tesser e Paula Gondim. Mas a Paulinha, uai, tava um bocadim dividida nas coisas, e logo foi se achar na publicidade numa agência. Vez ou outra vem fazer um frila aqui com a gente quando a coisa aperta. Dócil, linda, uma graça. Mauro de Bias entrou no lugar dela, não deu muito certo, amém, nós todos, e Renan do Couto foi promovido. Daí, arranquei Fagner Morais do Amigos da Velocidade e completei o grupo.

Hoje somos sete, um grupo do grande caralho, que acima de tudo se gosta, se respeita, trabalha em torno da notícia bem feita. Eu olho para eles e vejo todos os outros, no fim das contas. Porque vi o crescimento e o amadurecimento dessa gente, e nem o troféu que ganhei em 2011 me dá tanto orgulho do que ver no que eles se transformaram. Jornalistas, maiúsculos, gentes do bem. Nenhuma reportagem que fiz talvez seja tão grande quanto ter criado um programa para desvelar esses moleques, homens e mulheres. De novo: jornalistas.

Teve gente que passou e ficou pouco tempo, tipo Rodrigo Ribeiro, Rafael Belattini, Vitor Matsubara, mas merecem sua menção. Bem como Bruno Terena, melhor fotógrafo desta safra, infelizmente tenho de admitir, e Guilherme Dorneles, que trabalhou por alguns dias como correspondente, e que hoje brilha na rádio e nos bares da vida. Todos encaminhados na profissão. Grandes.

E neste tempo todo, vieram algumas crises, momentos difíceis, apertos, dificuldades, estresses, hesitações, momentos em que a reflexão se fez necessária, se valia a pena continuar na profissão, não só no site, se valia a pena ver que fazer um trabalho digno e honesto não é das coisas mais recompensadoras. Mas é, é, e muito, vale a pena insistir, batalhar, persistir, renovar, se renovar, ter ideias, e aí apareceram Ivan Capelli – este de longa data – e Bruno Mantovani, e com eles surgiu uma revista eletrônica. Mais recentemente, ao projeto se juntou o Rodrigo Berton, e todos eles viraram grandes amigos, grandes cabeças e corações.

10 anos depois, a redação segue da mesma forma, com o computador preto encostado, alguns outros objetos, um baú, uma cafeteira que era uma esquentadora de água e outra que funciona, e o chefe ali sentado, não mais de frente para porta, mas agora para a parede. Flavio Gomes. Um personagem no Twitter, uma figura no rádio e na TV, um jornalista dos maiores que conheci, o cara que melhor escreve sobre esporte e a vida, uma pessoa ímpar. Dez anos de absoluto respeito e de uma convivência absolutamente amistosa, como a de um pai com um filho. O cara que leu meu e-mail, que poderia ter deletado tudo que lhe escrevi, que me deu toda a liberdade do mundo para fazer o que quisesse tanto em termos estruturais quanto editoriais, o cara que me abriu a porta, o cara que me fez ler o que estava escrito na porta. O cara.

E nesse looping da vida, estamos juntos Gomes, Everaldo, Arantes e eu na ESPN, esta segunda casa que me brotou por conta também de Rafael Almeida, amigo que surgiu nesta loucura de rede social, bem como tantos outros que fazem parte destes dias. E neste espaço, escrevi para o maior jornal este país, a Folha; para a maior revista especializada do Brasil, a Quatro Rodas; para a maior revista especializada do mundo, a F1 Racing; e faço rádio e TV para o maior grupo de comunicação esportiva deste planeta. Tenho sorte. Foi muita coisa.

Pois hoje, 10 anos de jornalismo esportivo e de Grande Prêmio e Warm Up, sem estar na redação, vem à mente a folha já amarelada ali na porta, ainda imponente, e agradeço. Agradeço muito ao chefe, pelos lugares que visitei, pelas pessoas que conheci, os grandes amigos que fiz e tudo que vivi em uma década. E sorrio.

40 comentários

  1. Grande Victor Martins.

    Apesar de ter, apenas, 27 anos, acompanhei de perto toda a trajetória deste, que pra mim, é o maior e melhor site de automobilismo do país. Com pessoas íntegras que buscam a notícia como ela é, sem inventar ou omitir pontos.

    Sou um grande fanático por automobilismo, assim como a maioria que acompanha seu blog e o Grande Premio, quando criança e adolescente me aventurei no esporte, corri de kart dos 9 aos 16 e depois fui para as pistas de “adultos”, brincar com gente grande. Fiz o campeonato paulista de Turismo N em 2002, mas a partir dali, sem planejamento e patrocínio, infelizmente as coisas não aconteceram como eu esperava, o velho problema do Brasil, da falta de incentivo ao esporte e de não ter um “paitrocínio” influente.

    Mas voltando ao Grande Prêmio, suas palavras me arrepiaram, assim como os belos textos do seu chefe. Claro que isso me inspira muito a escrever sobre o que eu mais gosto, carros, corridas, F1, etc. Mas pra mim, isso ainda é um hobby.

    Quero parabenizar, mesmo atrasado, pelas belas notícias e seriedade que sempre vi nesses 10 anos de Grande Premio, página que visito todos os dias quando chego ao trabalho, quando volto do almoço e em casa antes de dormir.

    Deve ser incrível essa sensação de ter ajudado a virar o maior site de automobilismo do país, de ter tantas pessoas capacitadas e incríveis que passaram por aí nesses anos, gostaria de um dia poder ter esse sentimento e ainda ter na pele o prazer e a vontade de continuar evoluindo.

    Um grande abraço.
    Renan Collodoro

  2. jivan disse:

    Que venham mais 10 e 10 e 10…. parabéns

  3. Alves disse:

    Lindo texto.

  4. Antonio manuel da Silva disse:

    No fim do ano enviei por email alguma coisa parecida para algumas pessoas que, de alguma forma me ajudaram aquí na empresa onde trabalho, entendo que o reconhecimento àqueles que nos ajudaram faz parte do caráter do homem, e vocês aí, com certeza, tem muito, obrigado.

  5. puma 14 disse:

    parabéns garoto pela jornada, pelo trabalho e pela humildade em reconhecer que a evolução vem dos livros que se leu e das pessoas que se conheceu. sucesso!!!!!!!!!!

  6. Mansur. disse:

    Parabéns, Vítor.
    Bela trajetória, resultou no melhor site de automobilismo do país. Leitura diária.
    Que venham mais 10 anos. E mais 10, e mais 10…

    Abs.

  7. Turcomaldade disse:

    porra, quase chorei. belas palavras.

    adoro ler seus textos, leio qualquer coisa que você e seu chefe escrevem e, como geralmente é sobre algo interessante, nunca é tempo perdido entrar aqui.

    pena que, aparentemente o sr seu chefe tem dado pouco descanso a você. suas atualizações aqui andam muito chinfrim.

    mas, enfim… do pouco que sei da vida, percebo em você um profissional que une talento nato, muito treino e uma honestidade ímpar. parabéns por tudo e que os próximos dez sejam tão recompensadores quanto.

    diego.

    • Turcomaldade disse:

      só uma coisa: a gente nunca se viu e tal, mas tem um fato na sua vida que me deu um puta ânimo quando eu andava num desânimo profissional que só… lembro quando você ganhou o Ford Aceesp 2011 eu tava passando por uns problemas no trabalho de falta de reconhecimento que me fazia pensar duas vezes se eu deveria sair da cama de manhã pra vir trabalhar ou não.

      coisas da seara pública.

      Mas ai eu, zapeando pelo twitter, vi que você tinha vencido um prêmio foda pra caramba (tava todo aquela avalanche de mensagens no twitter, textos melosos do FG etc etc etc) com uma reportagem que vai contra todos os acordões de não agressão que existe por ai, numa mídia nova que é a revista eletrônica e falando de um esporte totalmente em baixa no país.

      ai eu pensei: porra, se esse cara consegue tudo isso com esse tanto de adversidade, porque eu não conseguiria alguma coisa melhor também?

      e no fim, deu certo também.

      sei que é besta, mas enfim, foi uma felicidade genuína ver sobre sua premiação.

  8. Rodrigo disse:

    Engraçado, Vitor! Lendo essas histórias me lembro também de quando da primeira edição do grande estagiário… fiz um textinho mixuruca, limitado nas tantas palavras que o requisito pedia, lembro que o tema era “a melhor corrida que você já viu”: lá fui eu, totalmente parcial, me retive às memórias da infância, no gp do japão 1994. Sabia que não iria passar, mas me lembro da sua resposta muitíssimo bem humorada e me recordo de ter pensado: “puxa, que consideração, eles tiveram o cuidado de me posicionar,” rs. Deve estar na caixa de entrada da minha conta do ig até hoje.

    Sucesso, mais 1000 anos pra vc à frente do gp!

  9. Se fosse Facebook, iria curtir. Parabens cara!

  10. Felipe AG disse:

    Parabéns, Victor.
    Você pode até ser um chato de galochas, mas tem o mérito de trocar a “mamata oriunda de um órgão público”, e sem pressão como diria o Felipão, por um trabalho na iniciativa privada. Sob risco de demissão todo santo dia, já são dez anos na toada e tendo como chefe o Sr. Flavio Magliari Gomes, este sim, um chato de galochas de carteirinha. Espero que não se arrependa um dia de tudo isso e volte para o Banco do Brasil. Fique por aí que você está bem na fita.

  11. Ivan Castilho disse:

    Lindo!!!!!!!!!!!
    Leio vcs todos os dias!
    Indispensável!!!

  12. Celio Ferreira disse:

    Parabens Victor , sucesso é o efeito de competência.

  13. Harry disse:

    Vitor,
    Muto bacana o “agradecimento”…
    Levo comgo que sempre, sempre devemos agradecer a quem nos deu a mão.
    Isso chama-se reconhecimento.
    Que venha mais 10…
    Harry
    @blogdoharry

  14. Marcelo Goulart disse:

    Parabéns Victor!!!
    Gosto muito do seu trabalho!

    Que venham muito mais de 10 anos!

  15. Rodolfo Amoroso Borges disse:

    Parabéns pelos 10 anos de GP e pelo ótimo texto! Gosto muito do seu trabalho e da sua escrita. Que venham mais 10 anos.

  16. Beto Estuqui disse:

    Boa Vitonez

  17. Gabriel Carvalho disse:

    Vai te catar, Martins. Fazer um cara chorar a essa hora é de f**** qualquer um. Já falei pessoalmente, mas parabéns, cara. Você é fera e sabe disso. Grande abraço!

  18. Alexandre Rodrigues de Oliveira disse:

    Parabéns Victor. Grande texto, grande jornalista, acompanhei todos esses 10 anos. Parabéns Victor Martins, na qual possuí um grande defeito, torcer para o Palmeiras, mas…..

  19. carlos almo disse:

    É sempre um imenso prazer em lê-lo, pois aprofunda não apenas o conhecimento sobre automobilismo em si, minha paixão que me mantém menino mesmo aos 5.0; mas também o enorme prazer em ler suas cronicas como esta: Soberba!
    Parabéns pelo sucesso, pela equipe formada, e que possa por anos anos continuar a sempre nos dar essas aulas magnificas que nos perspassa.
    Um abraço das serras friburguenses…

  20. hugo disse:

    Belo Texto!

    Quase tão bom quanto os do seu patrão…

    Rsrsrsrs

    Felicidade e boa sorte!

  21. Danilo disse:

    Somente duas coisas a dizer: parabéns e siga em frente!

  22. Vicaria disse:

    Obrigado pela citação. Parabéns pela data. Valeu a parceria.

    • Vicaria disse:

      Estresses e problemas à parte, algo comum em ambientes de trabalho, a vida é feita de boas lembranças e carrego apenas coisas boas desses dois anos de GP.

  23. R/T disse:

    Grande Martins, você me emocionou com mais esse texto, brilhante !

    Me emocionou porque em paralelo a estas linhas bem traçadas e escritas por você, tracei um paralelo com todos os momentos que passei junto desse site, desde as hilárias transmissões junto do Borges, as noticias que marcaram, emocionaram ou alegraram essa vida de fanático e apaixonado por esporte a motor, dos textos e tudo que, na minha opinião, permitiu transpor a barreira virtual, de site, virou algo quase igual aquele amigo que nos mantem a par, nos informa e que queremos encontrar sempre, e o grande responsável por isso, por esse toque pessoal sem ser parcial, é você

    Agradeço a você e ao genial Gomes por nos proporcionarem algo tão legal, tão raro e único, uma ilha de bom jornalismo nestes dias de jornalismo editorializado, institucionalizado e vendido, portanto, muito obrigado

    Sei que já lhe cumprimentei hoje, mas renovo os cumprimentos …

    Parabens !

    Um grande abraço,

    Edu

  24. Marcus Lellis disse:

    Aquele pulha do Chico virou editor do Lance! de NH?!?! Hahahahahahahaha! Estamos perdidos, Victor!

    Foi mal não ter ido, tive de ficar em Santos. Mas curti demais sua citação pra mim. No fundo, era isso, mesmo, um provocava o outro. Se hoje eu sei escrever impecavelmente (vc não tem ideia de quantas pessoas elogiaram textos meus nesses anos após o GP), foi por sua causa. Obrigado por ter me ensinado muita coisa. Levo comigo!!!!!

  25. Rogerio M.S. disse:

    Parabéns pelos 10 anos Sr. J O R N A L I S T A…

  26. Fanfarrão disse:

    Sou seu fã! Adoro todas as letras em parceria com o Ivan Lins!

  27. Mário Sérgio disse:

    Tai, garoto. Meus parabéns Victor.

  28. Jonatas Brito disse:

    Parabéns Victor! Tenho você e o Flavio Gomes como exemplo de profissionais. Ser tão bom quanto vocês são, esta é a minha meta enquanto trilho meu caminho na faculdade de jornalismo.

  29. Grande Victor,

    Parceiro de algumas coberturas memoráveis, dentro as quais a inesquecível #oquefizemosemindy. Parabéns, amigo. Não é sempre que um jovem consegue construir uma história tão rica. E vem muito mais por aí! Abraço!

  30. Jackie Della Barba disse:

    Belo texto, Parabéns e Sucesso!!

  31. Pablo Vargas disse:

    Que seja a primeira de muitas décadas.

  32. Othon Gervasio disse:

    Bacana, Vitor ou Vitonez ! Parabens pelos 10 anos e que venham muitos outros ! Abraços do amigo das mais belas Minas ( delas tbem…) Gerais !

  33. Alê disse:

    Bacana a trajetória, Victor. E bacana a forma de descrevê-la, tb. Parabéns pela data redonda (e uma redonda para comemorar a data, rs).

  34. Chico Luz disse:

    por isso que o GP é foda.

  35. Mauricio disse:

    Parabens! E assim como os do Flavio Gomes, gosto muito dos seus textos tb.

  36. Flavio Gomes disse:

    A folha continua na porta. Não sei bem se vocês devem mesmo agradecer o chefe que têm/tiveram. Mas eu agradeço todos os dias cada um que entrou aqui para trabalhar. E me basta conhecer o destino de cada um. É o que esta firminha mequetrefe vai deixar de legado. Valeu, Martins.

  37. Fernando Mazzanti disse:

    Putz! Demais!
    Que venham mais dez anos a vocês e ao Grande Prêmio!
    Abs
    Fernando

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>