MENU

15 de janeiro de 2016 - 13:25Automobilismo brasileiro

Aqui jaz Curitiba

CALDAS NOVAS | Se aqui fosse Indianápolis e estivéssemos durante os treinos das 500 Milhas, a direção já teria soltado um ‘call it a day’ para anunciar o fim das atividades. Só chove desde ontem à noite nesta cidade praiana sem praia. Uma das coisas que mais chama atenção aqui é o quanto tem picanharia, casa para vender açaí e imobiliária/empreendimento. Ao lado do Golden Dolphin, aliás, tem terrenos prontos para construção e corretoras que mais parecem shoppings. A especulação é grande aqui.

Tal qual em Pinhais, que vai culminar no fim das atividades do autódromo local, costumeiramente chamado pela capital do Paraná. Um dos sócios anunciou que serão construídos condomínios residencial e empresarial no espaço que nasceu no fim dos anos 60 e se tornou um dos principais locais da pratica do automobilismo nacional. Ainda que o projeto vá manter a pista para ocasiões especiais, sejamos minimamente inteligentes: ninguém vai querer comprar um apartamento sabendo que pode ouvir ronco de motor para atrapalhar seu santo descanso.

Curitiba vai lá se juntar a Jacarepaguá na condição de autódromo morto e ainda mais levantar as questões sobre a importância do automobilismo nestas terras — e, claro, sempre questionando as ações da CBA para evitar que suas praças desapareçam. Cada vez mais, a formação dos pilotos e a competição local vai se minguando e tendo de se adaptar ou à ganância de quem detém os terrenos ou à inércia de quem (des)cuida.

Isso remete à uma declaração que Cacá Bueno deu em sua participação no Paddock GP do fim do ano passado. Perguntei a ele se faria algum esforço para seu filho ser piloto. A resposta veio rápida. “Não”, e aí, como sempre, as críticas às organizações e órgãos responsáveis se seguiram com razão. Ser piloto no Brasil, mais do que nunca, é um tiro n’água: é um gasto excessivo e um retorno nulo.

Pelo jeito, vamos ficar com 0 2-3-3 de títulos na F1 eternamente. Quem viu e curtiu o que fizeram Emerson, Nelson e Ayrton que guarde isso para contar para as próximas gerações.

7 comentários

  1. clodoaldo disse:

    poderiamos discutir os culpados por as soluções mas o automobilismo é so mais uma vitima quando emerson piquet olha pra ele e o ve agonizando não e difente do que deve sentir oscar e hortencia com relação ao basqquete rivelino e zico com o futebol exemplos não faltam estamos acabando com todos os espotes que temos mergulhando todos no amadorismo e esculacho mesmo

  2. Juarez disse:

    Só discordo do Caca quando ele diz que autódromo deve ser público. Não acho que o governo deva ter papel em esporte de alto rendimento. Deve ter com o esporte como ferramenta educacional, de integração social e de saúde. Quanto a CBA ele está certíssimo.

  3. Francisco Martins disse:

    Infelizmente é mais uma perca para o automobilismo nacional e no que depender da CBA só ficaria Interlagos por causa da F-1, enfim lamentável!

  4. André Marques disse:

    Se fosse falar o que estou pensando, seria impublicável e com toda certeza vocês não aprovariam meu comentário…só posso dizer que lamento, especialmente pro ser paranaense de Cascavel e morar há quase 20 anos em Curitiba…ou seja, cresci dentro de autodromo.

  5. José Libório disse:

    Concordo totalmente com vc: já não temos uma categoria suficientemente competitiva de monopostos e vamos perdendo autódromos. N ão há geração espontânea em nenhum esporte…. Pobre do nosso automobilismo…

  6. Marcelo disse:

    Talvez a única solução para salvamento, ou pelo menos não extinção, dos autódromos brasileiros seja o tombamento histórico – IPHAN, das praças, pistas e boxes, devido a manutenção da história do automobilismo.
    Outra saída seria torna-los privados, porém não há interessados em investir, pois a CBA não é séria, não existem categorias suficientes e a descridibilidade é total.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>