MENU

18 de janeiro de 2016 - 21:16Diários de Viagem

Caldas Novas: vale ou não vale?

CALDAS NOVAS | Não é fácil ficar sem celular, que resolveu ter vida própria e pular da mão no elevador, partindo-se em estilhaços e deixando a tela como uma viagem psicodélica. Perdi algumas boas fotos que ilustrariam esta viagem por Caldas Novas. De qualquer forma, resolvi fazer uma buzzfeedzação — aliás, parabéns ao BuzzFeed pela excelente reportagem sobre manipulação de resultados no tênis — para falar dos prós e contras desta cidade que espero retornar em breve.

O QUE TEM DE RUIM

1) Pedestre que se lasque

Durante boa parte da minha estada, choveu, o que é raro. Os habitantes costumam dizer que esta estação de precipitações está atrasada — era para ter vindo em dezembro. Muito ou pouco, a chuva traz rapidamente um problema à tona: as ruas. Mal asfaltadas, formam buracos e poças, e não há boca de lobo nem sarjeta. Caminhar é um ato complicado. Ainda mais pelo fato de as calçadas também serem irregulares. Peguei a foto abaixo em uma simples googlada. Deve ser em outra cidade que não esta onde estou.

2) Geografia e urbanização

A cidade em si tem poucos aclives, mas parece que está espalhada em bairros ou centros dispersos. Tem uma área só de hotéis, flats e residenciais — que dificilmente se diferenciam —, tem o centro, tem a parte das casas, tudo distante um do outro. E como dito acima, o melhor é ter um carro na mão e uma consciência de que se deve ir devagar para não estourar a suspensão nos incontáveis buracos — eu tive de ir a pé a todos os locais.

3) Conexão fraca

Não espere que se conectar à internet ou usar o celular seja algo fácil em Caldas Novas. Em nenhum dos quatro dias em que o celular teve vida ativa (#RIP) chegou a aparecer sequer a mensagem de 3G; por muitas vezes mal indicava a conexão ou até mesmo dava como sem serviço. Nos hoteis, o que é comum é só a área do saguão e da recepção ter wi-fi, o que transforma os sofás e cadeiras em lugares disputados para que todos vejam mensagens e recados.

4) Preços paulistanos

É claro que muito daqui tem aquela boa característica do interior, mas o comércio lembra muito o que é cobrado em São Paulo. Apesar de bem servidos, há pratos que passam facilmente dos R$ 100; beber também não é das coisas mais baratas — ainda bem que não o faço. Por ser uma espécie de praia no meio do Brasil, a procura é muito grande, sobretudo nos finais de semana. Daí vem a exorbitância.

5) Som quase único

Como era de se esperar, é o sertanejo que toca por estas terras. E em qualquer lugar que se vá, ele é tocado repetidamente. Ainda, tive a grande sorte, só que não, de vir em um fim de semana de um festival de dois dias com atrações como João Bosco & Vinícius, outras duplas que não faço ideia da existência, acho que Luan Santana (olá, Berton, tudo bem?) e tals. O que pode salvar são eventuais bandas que façam parte de seu hotel, como acabou acontecendo no Golden Dolphin Grand Hotel: cantam sucessos de vários ritmos para agitar o pessoal que se esbalda na piscina à base de bebidas & petiscos.

O QUE TEM DE BOM

1) A beleza da cidade

Eu havia ido a Goiânia pela primeira vez lá pelos idos de 2003. Adorei a cidade e a havia definido como uma cidade praiana sem praia. Poucas horas em Caldas Novas já redefinem conceitos. A cidade é bem ajeitada, bonita, limpa e segura. Pena que estes sejam fatores que devem fazer crescer os olhos dos meliantes daqui um tempo.

2) O clima de praia

Sim, é esta definitivamente a praia do Planalto Central. É muito comum ver lojas que só vendem artigos tipicamente do litoral e gente andando de maiô, biquíni e sunga nas ruas. Dei azar em pegar uma semana em que choveu todos os dias e a temperatura máxima não deve ter passado de 26 ou 27ºC, mas é comum os termômetros marcarem 38ºC. O remédio? É procurar uma piscina em um hotel e um clube. Água não falta por aqui.

3) A cordialidade do povo

Goiano em si já é falante e comunicativo, e não é diferente por aqui. Começar o papo com alguém é fácil e às vezes é uma tarefa difícil terminar a conversa para fazer outra coisa. Exemplo foi o que aconteceu num banco. Houve um problema com um senhor que não conseguia passar o cartão. Fui ajudá-lo. De repente, a fila de oito pessoas estava num papo que falava de aplicativos de celular, dinheiro e dicas de viagem. Não foi diferente quando fui comprar uma chinela — gosto de falar chinela; vou adotar para sempre, tal qual uso o termo chuchar. No fim, soube que a dona da loja não tem um tempo para ver sua família em Goiânia há dez anos. Virou um papo de prioridades na vida.

4) Comida boa

Apesar de os preços não serem lá os mais agradáveis, há, sim, lugares em que se encontram self-services a 14 dilmas e se come muito bem. Tudo é bem temperado, e o que se destacam são o feijão tropeiro e a picanha em qualquer esquina. Em tempo: evite tucunaré se não estiver acostumado com um peixe de água doce.

5) Claro, as águas quentes

É estranho, de início, entrar numa piscina envolta em vapor e cuja água vem de poços em que a temperatura é de 54ºC. Logo você se sente numa hidroginástica e relaxa. E é bom demais. Depois vai lá para se refrescar na piscina normal, e assim se passa o tempo, esquecendo da vida, aproveitando o que há de bom. Tanto crianças quanto adultos, levemente alterados pelo nível etílico, se divertem nos toboáguas e cachoeiras. Tem hotéis que já trazem seus próprios centros de diversão.

Ao fim e ao cabo, não tenho dúvidas de que vou voltar algum dia, espero que neste ano mesmo. Sei que tem alguns perrengues, mas nada que também seja coisa de outro mundo. Programem-se para curtir quando vierem.

11 comentários

  1. Fernando Kesnault disse:

    Sabe amigo, o que me impressiona (ou nao?) é que um sitio como a Grande Premio nada fala da prova das 24 Horas de Daytona…por quê será?? Desconhecido mesmo, incompetencia? (desculpe a palavra forte), ou simplesmente falta vontade (como a grande maioria dos jornalista esportivos da área) e empenho?? Ou mesmo conhecimento??? Nao sei, isso me deixa triste, num momento que aquela categoria fajuta é a unica coisa que vcs sabem falar….mas ainda tem tempo, vcs tem material, tem internet que facilita a pesquisa, entao, se queres um sitio (site) preciso, uniforme, competente e dinamico, arregaçem as mangas…..heheheh……contem comigo…abraços.

    • Victor disse:

      VM responde: Amigo, eu poderia te responder uma série de coisas, sobretudo sobre um “sítio preciso, uniforme e competente e dinâmico” e seu lindo complemento, “arregacem as mangas”. Poderia também ressaltar que ninguém no (e não NA) Grande Prêmio está longe de ser vagabundo — é desnecessário ir além. Mas aconselho a você não ficar triste, meu caro. Não vale a pena. Vai ali dar risada e ser feliz. Eu, por exemplo, ri do seu comentário.

      Contamos com você. Abs.

  2. jarbas disse:

    bom dia, li o seu comentario e concordo, tive em caldas novas a primeira vez em 1990, fiquei encantado e quiz comprar um terreno la, mas voltei la depois de uns tres anos e fiquei surpreso com o crescimento da cidade(moro em são paulo), minha esposa e de morrinhos cerca de 60km de caldas novas, então resolvi comprar uma casa em morrinhos, foi a melhor coisa que fiz, quando estou em morrinhos e quero ir a caldas nova, saio de manhã passo o dia la e a tarde volto pra morrinhos que e (diga-se de passagem) uma bela cidade, abraços.

  3. Sabino Andriani disse:

    Passei uma semana em Caldas Novas com a minha família, a da virada do ano 2015/2016, e foi muito bom, fiquei hospedado no Hotel Riviera Prive, onde tinha acesso aos parques do grupo, também fui conhecer o Hot Park na cidade do Rio Quente (lugar muito caro), esta foi a segunda vez que vou para lá, a outra em 2012, me hospedei no SESC que conta com uma estrutura de entretenimento muito boa.
    Também espero voltar lá daqui algum tempo, e espero que a cidade esteja ainda muito receptiva e segura.

  4. Carlos disse:

    Victor,
    eu sou do Rio, mas moro atualmente em Caldas Novas. A má qualidade da pavimentação e a falta de drenagem nas ruas realmente, como se diz por aqui, dá uma descrença danada.

    Quanto ao sinal de celular/internet, esse problema geralmente acontece nos dias em que a cidade está muito cheia e a rede não consegue atender o grande número de aparelhos que a utiliza ao mesmo tempo. Fora dessas datas de grande movimento, até que funciona razoavelmente bem. Agora mesmo, o meu celular estou captando o sinal 4G.

    Em relação a bares e restaurantes, eu acho que temos muito poucas opções de bom nível, o que é estranho em uma cidade turística. Já os preços, são melhores fora da área turistante, porém encontra-se ainda menos opções e qualidade.

    Eu gosto muito de tucunaré e tenho pavor de pequi.

    Realmente, você deu azar. Normalmente não choveria tanto nessa época. Quando você voltar, espero que encontre um belo sol, com o céu azul enfeitado de araras.

    Abraço

  5. sandro disse:

    Conheci Caldas Novas, é uma cidade sensacional, pra passear e descansar, Muito boa, os parques são muito bacanas e o Hot Park então é Top, coisa de primeiro mundo, Pesqueiros não faltam, a feirinha da “segunda feira” no praça central é show, a praça é show, o povo é muito legal, cidade tranquila sem transito, a represa é linda “cuidado com as piranhas” diz uma placa, bares e lanchonetes e a cachaçaria muito boas, até a água das piscinas dos Hotéis são quentes, achei tudo muito em conta, lugar bacana mesmo, vale a pena conhecer e se divertir. Você fez um belo passeio.

  6. Vanessa disse:

    Desculpe mas esqueci algo muito importante.Da próxima vez que for, comece trocando o hotel, pois sua escolha não foi muito feliz.Se você se instalar em qualquer hotel do Grupo Di Roma , você terá wi fi a vontade não só na recepção mas na área de piscinas e nos apartamentos sem limite de senhas para aparelhos, isso porque este é meu Grupo de Hotéis favorito e onde costumo me hospedar mas outros grupos grandes de lá , são muito bons também.

  7. Vanessa disse:

    Estava lendo sua publicação e como vou constantemente para lá , conhecendo razoavelmente bem, tenho que concordar com a cordialidade, a beleza e organização da cidade.Não nasci lá mas me encantei desde minha primeira visita.Moradores e turistas em sua grande maioria bonitos e educados, cidade limpa, sem mendigo.As águas são um caso a parte para se comentar pois além de serem medicinais,deixa pele e cabelo saudáveis e é agradável o ano todo.Tenho que discordar sobre o preço dos pratos , além de achá lo incoerente no comentário ,pois primeiro cita sobre os pratos serem em sua maioria , maiores de 100,00 ,depois que se come até 14,00.Na verdade , eu conheço muito a gastronomia de lá e posso te afirmar que tem coisa boa para todos , aliás,isso acontece também com passeios,bares e até roupas, que em geral, agradam todos os gostos e bolsos.Com relação ao tipo de música, é questão de gosto mesmo, pois este ritmo agrada não só o pessoal de lá mas o interior de São Paulo em quase sua totalidade.Por isso e outros inúmeros motivos ainda pretendo ser moradora de lá e aconselho você a ir outras vezes e conhecer esta cidade maravilhosa mais detalhadamente.

  8. Arrumei uma férias relâmpago para a próxima semana e um dos lugares que estou considerando é justamente Caldas Novas, seu post veio bem a calhar. Um grande abraço.

  9. JJunior disse:

    Caro Victor Martins, sou leitor do Grande Prêmio e acompanho seus cometários, assim como dos demais missivistas.

    Quanto a Caldas Novas, realmente é isso que vc colocou, assim como em todo o estado de Goiás as pessoas são falantes, a comida é boa e não tem boa internet.

    Não sei como vc classificou o Tucunaré na Chapa, mas informo que peixe de água doce é menos forte que de água salgada. Desta forma, trona-se até que mais saboroso, apesar desta espécie ter muitos espinhos (talvez esta seja sua reclamação, não?).

    Quanto Caldas Novas ser a “praia de Goiás”, ledo engano, a praia de Goiás está localizada na cidade de Aruanã, na divisa com Mato Grosso, banhada pelo Rio Araguaia. Isto sim é considerado a praia de Goiás. Recomendo uma visita, se for pescador ou, no mínimo, gosta destas aventuras, seria uma diversão.

    Em tempo, muito bem apresentada sua matéria sobre Caldas Novas, parabéns.

  10. Rodrigo Berton disse:

    Olá, Victor! Tudo bem, e você?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>