MENU

26 de janeiro de 2016 - 11:41Automobilismo brasileiro

Fittipaldi não é Verstappen

SÃO PAULO | Com o fenômeno Max Verstappen pulando da F3 Europeia direto para a F1 pelas mãos da Toro Rosso ainda no fim de 2014, foi natural que os jovens pilotos vissem na categoria a mais nova vitrine do automobilismo. O grid acabou inchado, a ponto até de haver uma eliminação de pilotos em corridas onde a pista não comportaria tanta gente.

Sem o filho de Jos e o também ótimo Ocon, que acabou sendo campeão, o grande favorito ao título era Félix Rosenqvist. Não só porque ele havia sido vice-campeão em 2014, mas porque conhecia muito bem aquele carro e os demais eram principiantes diante de sua experiência de então CINCO anos no campeonato — ressalte-se: um campeonato de base, e o sueco estava lá ocupando um cockpit desde 2011.

De repente, despontou Antonio Giovinazzi. Italiano que começou a mostrar serviço do meio da temporada de 2014 em diante, obteve oito pódios seguidos e liderou a tabela por um bom tempo. Só mais para o fim que Rosenqvist engatou uma sequência de vitórias e tomou a taça do rival. As corridas revelaram os interessantes monegasco Charles Leclerc e inglês Jake Dennis.  Que seja.

Fato é que não houve pior campeonato que o da F3 Europeia em 2015 nos últimos anos. Jogados aos leões, grande parte dos pilotos foram presa fácil e vítima não só da inexperiência, mas da sanha de seus pais/parentes & empresários. O expoente máximo foi o fim de semana em Monza, em que duas das três provas foram interrompidas e encerradas pela direção de prova por, em suas palavras, falta de talento.

Havia ali o americano Ryan Tveter — pronúncia como a da rede social —, o equatoriano Júlio Moreno e até mesmo o protegido da Ferrari Lance Stroll, canadense cujo pai pode bancar a farra automobilística. A capacidade de Tveter se exprime em menos de 140 caracteres; Moreno está longe de conseguir um bronze; Stroll foi dispensado pela marca do cavalino rampante.

Neste contexto, havia dois brasileiros: o primeiro, com tudo ao dispor para alavancar sua carreira, e o segundo, pronto para ganhar o mundo e ter de fazer o melhor sem tanto apoio assim. Pietro Fittipaldi e Sérgio Sette Câmara têm famílias muito bem abastadas, só que o neto de Emerson era muito mais atenção pela sequência de resultados — e o vínculo sanguíneo — que até então tinha tido na carreira em comparação ao moleque que acabava se livrar do kart em terras locais.

Fittipaldi até começou a temporada com resultados medianos, mas depois teve aparições dignas do trio Tveter-Moreno-Stroll; no fim de semana de Pau, teve um acidente na classificação da primeira prova e não conseguiu se classificar para a segunda e terceira — acabou não disputando a que podia por ter fraturado a mão. Teve como melhores resultados dois sextos lugares, acabando em 17º na classificação geral. Sette Câmara, na contramão, engatinhou no começo para então começar a mostrar suas qualidades. Obteve dois pódios no total e chamou a atenção da Red Bull, que o pôs rapidamente como seu piloto de desenvolvimento.

Aí surge a notícia de que a equipe Fortec, onde Pietro correu no ano passado, promoveu Fittipaldi à F3.5, antiga World Series.

Em um ano em que deveria ter mostrado a que veio no esporte, junto a feras nada ferozes, Pietro fracassou — Pedro Piquet vai passar pela mesma prova neste ano. Pois que agora não tenha só sorte de ser parente de quem é. Que mostre que há talento a ser lapidado e devidamente trabalhado, e que a ascensão que está tendo na carreira é merecida. Porque Fittipaldi não é Verstappen. E pelo que guiou em 2015, está longe de ser. Muito longe.

171 comentários

  1. joão disse:

    …estranhamente o Pietro que estava indo bem na NASCAR americana, nas suas categorias de base, trocou o foco para correr de monoposto na Europa… Ganhou a F4 e pode serguir carreira na F3. Ele pode apanhar para aprender, mas acho muito precipitado exigir resultados por agora… Vamos ver neste ano, se bem que ir para uma categoria mais próxima da F1 como GP2 e

  2. ROCHA disse:

    É, esse pessoal dos comentários está precisando ler mais o conteúdo do Grande Prêmio e assistir ao Paddock GP. Abs.

  3. André Nascimento disse:

    Ser novato e fazer parte uma equipe novata com muitos carros não seria temerário ?

  4. Iverson disse:

    Eita, quantos pachecos, por acaso esse post apareceu no globo.com? Hahaha.

  5. Leandro Garcia disse:

    Fala Victor boa tarde!

    Gostei muito do seu texto apesar que em minha humilde opinião mexeu em um vespeiro daqueles!

    Referente ao Pedro Piquet sempre li que aqui no BR ele sempre teve o melhor carro, estrutura e que isso o ajudava muito na questão da diferença para os outros pilotos, acha que esse ano vai ser uma prova de fogo para ele?

    Parabéns pelo trabalho no GP!

  6. Luiz Ronaldo disse:

    Como já dei algumas respostas nos outros comentários, vai uma pergunta direta pra você, Victor.

    A limpa que foi feita no Ferrari Academy Driver, já que até onde sei o Brandon maisano também rodou, não aponta que os rumores sobre o fim do programa após a morte de Bianchi são reais?

    • Victor disse:

      VM responde: Na prática ele não tem tido efetividade, porque não produz pilotos para a equipe. Então acaba tendo, sim, esse temor de que vai acabar. Em 2016, no entanto, deve seguir.

  7. Luís disse:

    Vitor, não sei se o Pietro vai ser chegar na F1 algum dia e se chegar se vai ser campeão ou pelo menos fazer um bom papel. Mas o que sei até agora é que na Fortec ele teve mais 3 companheiros de equipe e ele era o único novato entre eles. E Pietro foi o melhor piloto da equipe. Talvez tenha sido a equipe que não o ajudou a ficar em posições melhores. Por isso Vitor, cuidado nas análises. O garoto é novo, ainda tem muito o que aprender. Ficar jogando pedra não ajuda em nada. E apostar no fracasso alheio é fácil, afinal o sucesso chega para poucos. O caminho dele é longo e se Pietro vai ter sucesso vai depender só dele e das escolhas que ele fizer.
    Ah ! Já ia me esquecendo. Na F1 tem um piloto novato que também não é nenhum Max. Um tal de Alonso que andou pela McLaren e acabou só na 17 posição entre 22 pilotos. E ainda ficou atrás do seu companheiro de equipe. Piloto decepcionante.
    Viu, julgar baseado apenas em uma temporada pode ser uma verdadeira injustiça com um piloto novo como o Pietro.
    Vitor acredito que você pode fazer melhor.

    • Victor disse:

      VM responde: A saber, os companheiros dele na Fortec: os chineses Zhi Cong Li e Hong Wei Cao, o macauense Wing Chung Chang e o inglês (ufa!) Matthew Rao. Você realmente acha que ficar à frente de dois chineses e um macauense é dizer que ele é o melhor piloto da equipe? E por fim: estamos falando de talentos a ser lapidados, não de nego que tá na F1 há 15 anos.

    • Luiz Ronaldo disse:

      Pior que julgar em uma temporada, é não contextualizar. Comparar o Max, que saiu do kart, fez uma temporada de F3 inglesa terminando em 3° com uma equipe consolidade (que inclusive deu a primeira vitória pro filho de Schumacher na F4), com o Pietro que pegou uma primeira temporada num dos piores anos da história da F3, por uma equipe em franca decadência? É no mínimo inocência.

      Eu no lugar de Pietro, tentaria mais um ano de F3, com uma Carlin ou Premá. Se até o Rosenqvist foi campeão numa Premá, ele também consegue. Só que suponho que não seja ele quem decide. Deve ter manager, avô e a Ferrari Academy querendo tirá-lo de lá por medo de um acidente mais sério, pelos danos à imagem da F3 que 2015 causou, ou ambas as coisas.

      O lado bom é que na WSR, a Fortec tem história. Aguardemos cenas dos próximos capítulos. Outra curiosidade que tenho são dos companheiros de Pietro no programa da Ferrari. Brandon Maisano é constante, mas me parece faltar aquele instinto matador. Lance Stroll é rapidíssimo, tem um pai rico, mas é um tanto quanto afobado. Pra não dizer merdeiro.

  8. Pedro disse:

    Victor, como vai? Para mim, é inconcebível que alguém não veja o Verstappen como o fenômeno que ele é. Nenhum piloto formado pelo programa da Red Bull – nem mesmo Vettel e Ricciardo – teve um ano de estreia tão impressionante como o dele. O menino tem 18 anos e pilota como gente grande. Arrisco dizer que se ele tivesse uma Red Bull nas mãos venceria uma ou outra corrida. Qualquer coisa no sentido contrário é, como diria um velho professor, papagaiada.

    Quanto ao Fittipaldi, eu acho que é isso mesmo: um piloto mediano para ruim que vai perambular por categorias de base sem brilho e graças ao dinheiro da família. Pelo menos vai arranjar um monte de namoradas e conhecer o mundo. Tá bom, né?

    • Luiz Ronaldo disse:

      Vettel teve um 4° no ano de estreia, e nem correu a temporada toda. Era o melhor resultado da STR até então.

      • Garlet disse:

        Esquenta não Luiz. O pessoal desmerece o Vettel por ele ser alemão, e pilotar tão bem ou até melhor que Senna em pista molhada. É altamente frustrante para brasileiro admirar um piloto alemão, É altamente frustrante para a cultura do brasileiro, ter que admirar um “trabalho em equipe”, Prefere idolatrar heróis, Isso é passado. Herói solitário fica por último no grid, vide Alonso, não soube trabalhar em equipe. Vettel pra mim, é a real representação de uma “equipe”. E olha que sou francês…….elogiando um alemão………

  9. Alberto disse:

    Victor,
    não vou julgar se fulano é ruim ou bom, já estive por anos no mundo do automobilismo e pra saber isso tem que estar inserido lá dentro, como vc está e estes palpiteiros de plantão não estão. Escrevo pra te parabenizar pela coragem de dizer o que acha, independente de pachequismos. Vi inúmeros “talentos” brasileiros ficarem pelo caminhos, todos futuros “sennas”; na verdade não eram tão talentosos assim e gastaram milhões pra tentar comprar o sonho de ser piloto de F-1, alguns chegaram mas obviamente sem sucesso. Chegar a F-1 depende de influência e grana, vencer na F-1 é pra poucos. Os grandes talentos(de verdade) brasileiros sempre ficaram pelo caminhos sem grana (vai vc que é campeão de kart pedir patrocínio na Embratel ! kkkkk).

  10. Edson disse:

    Victor, apesar do currículo não me lembro de algum comentário ou artigo seu.
    Vou acompanhá-lo para entender melhor seu estilo, espero que não seja uma metralhadora apenas para atrair atenção. Paulo Francis e Diogo Mainardi: pela metralhadora inteligente e interessante, questão de preferencia.

    abrç,

  11. Marcelo disse:

    Estamos falando de um campeonato mundial a coisa é mais embaixo…se não chegar como “fora de série” maioria fica só até a grana acabar, sempre foi assim na F-1. Pela idade, Max Verstappen ‘assombrou’ no meio do pelotão e só não fez mais porque o carro era limitado, quebrou várias vezes. Mostrou o que os grandes times querem ver, arrojo e alto controle mental. Conquistou dois quarto lugares, pontuou em dez corrida(seis seguidas), na forma de pilotar se destacou bem mais que o companheiro de equipe. Verstappen ainda foi declarado “rookie” do ano e “rei das ultrapasagens” com 49 manobras bem sucedidas, isso com o fraco motor Renault. Piloto holandês também recebeu o prêmio da FIA por fazer ultrapassagem mais arrojada em 2015, sobre Felipe Nasr no GP da Bélgica.
    Pelo carro que teve em ano de estréia, Verstappen foi muito bem. Depois de Vettel, não lembro de um piloto impressionar tanto no meio do pelotão. Veja bem, Hamilton começou em 2007 em uma Mclaren brigando por títulos, mas começar lá atrás é bem mais complicado. Quanto a Pietro Fittipaldi…vale pra qualquer novato, se não impressionar logo no começo, fica sem crédito entre os chefes de equipes. Lembra do Rubinho entre 1993 e 1999? O que mais a mídia brasileira falou na época era em “aprenzidado”…ok, a mídia estava dando uma força, mas Rubinho não passou de um bom piloto, ainda teve a chance de “ouro” em 2009, acacou perdendo o título para Button e o vice para um jovem alemão que ainda era novato. Ao final de 2009, Vettel tinha apenas 43 corridas na F-1, Rubinho 288…

    Uma coisa é chegar pelo sobrenome, outro é pelo talento…Verstappen chegou pelo talento impressionando mais que seu pai no começo. Jos Verstappen estreou em 94 com uma Benetton que foi vice campeã, o foco do time estava em Schumacher, mas pelo carro que tinha Jos decepcionou, tanto que depois só pegou equipe nanica. Formula Um não perdoa, muitos metem o pau em Damon Hill e Button, mas pelo menos eles fizeram o básico, bateram o companheiro de equipe e foram campeões, o resto é mimimi. Não adianta torcedor ficar com raiva ou inventar desculpas(o choro é livre Galvão), o que o Brasil fez nas últimas décadas para merecer outro campeão na F-1? Basta observar nas categorias de base, não fizemos nada(falo de investimento das montadoras, sem isso esqueça, não vai aparecer um talento acima da média). Quantos jovens ingleses correram no kart e categorias de base na Inglaterra na época de Hamilton? Porque Ron Dennis apostou nele entre vários outros? Talento diferenciado!!!!. Ser fera no Brasil é uma coisa, mas a prova de fogo é lá fora. Precisamos de um automobilismo de base forte, única maneira de aparecer um talento acima da média. Não adianta a Globo eleger Nasr, Pietro ou Pedro como piloto da vez. Para outro brasileiro conquistar o que Rubinho e Massa conseguiram, ainda tem chão. A realidade atual é a seguinte, Brasil apenas participa da Formula Um. O que aconteceu com Alonso, Vettel, Hamilton, Raikkonen e Button nos últimos 10 anos é o mesmo que aconteceu com Prost, Piquet, Lauda, Rosberg, Senna e Mansell nos anos 80. Só anda na ponta e disputa títulos se for muito bom(bom suficiente pra levar o título, caso de Rosberg, Raikkonen e Button), muito complicado pra quem esta chegando. Pietro Fittipaldi e Pedro Piquet podem até fazer boas carreiras, mas acho que dificilmente disputam títulos(para o torcedor eles tem obrigação, senão é marmelada…mas não funciona assim. Essa mentalidade é culpa de certo narrador que idiotizou o povo). Depois de Prost qual outro piloto francês foi campeão no mundial? Então é isso, a F-1 nunca teve nada contra os brasileiros, no final o que faz a diferença é o talento diferenciado. Todo mundo fala que depois do do 1 de Maio a Formula Um só teve piloto fraco(olha a idiotização aí gente)…mas se isso fosse verdade, Rubinho e Massa teriam obrigação de ser pelo menos tricampeões. Condição de primeiro piloto não se ganha, se conquista…isso é fundamental para estar na briga por títulos. Coulthard era tão bom quanto Barrichello, mas na Maclaren nunca foi o preferido do time. Uma equipe inglesa deixando um escocês de lado e apostando em um finlandês….caso impensável em um time brasileiro.

    Acompanho F-1 desde 1981, nada mudou…as grande equipes sempre vão escolher os melhores para buscar títulos. O que estraga no torcedor brasileiro é o fanatismo(pachecada herdada da porra do futebol, coitada da mãe do juiz). Se Rubinho tivesse conquistado o título em 09, Galvão colocaria ele como a última “obra-prima” do esporte a motor do Brasil. Button foi campeão, mas pra mim isso era obrigação o mesmo serve para Barrichello..

    Piloto é egoísta pra ele o que importa é bater no peito e gritar:”Eu tive a capacidade eu sou campeão mundial da Formula 1″. Quantos pilotos já passaram pelo mundial? Mais de 700 com certeza, apenas 32 chegaram ao título. Dessa turma, desde 1950 pode colocar mais de 600 como ‘pagantes’(começou na década de 70, momento que os patrocinadores chegaram em peso na F-1), outros pilotos de maior destaque poderiam chegar ao título(caso de Regazzoni, Peterson, Reutemann, Villeneuve) mas não deu, fatou algo pra superar. Galera mete o pau em Maldonado por receber apoio do governo venezuelano, mas esquecem que Fangio foi bancado pelo governo argentino. Só que Fangio começou em time de ponta e sempre pilotou como primeiro piloto. O argentino mostrou talento é verdade, mas começar no pelotão da frente é meio caminho andado. Boa sorte a Pietro Fittipaldi e Pedro Piquet, nesse esporte não é só chegar e pilotar, tem que superar diversas adversidades, poucos conseguem chegar ao título. Espero que Galvão e a Globosta(dois atrasa lado) deixem os meninos em paz. Levantem as ‘mãos para o céu’ por ter essa turminha do grandepremio, Victor Martins, Seixas, Ico, Cerasoli e outros…prioridade é que eles ‘jogam limpo’ com o torcedor. Diferente do Galvão que adora fazer torcida de idiota.

  12. FRANCISCO disse:

    GENTE, BOA NOITE. POXA , FICO ABISMADO COM A CONOTAÇÃO DO PIETRO COM A INFLUENCIA DO NOSSO BI-CAMPEĀO EMERSON E ATE COM A IMPRENSSA…
    ME LEMBRO DO PEDRO PAULO DINIZ COM O DINHEIRO DO PAI (E NĀO TENHO NADA CONTRA ISSO , FARIA O MESMO PELO MEU FILHO), NUNCA ERA MENCIONADO NAS NARRAÇÕES, ATE QUE HOUVERAM REUNIÕES E EM CERTA CORRIDA O NARRADOR GLOBAL SOLTOU A PEROLA…E PASSA PEDRO PAILO DINIZ NUMA EXTRAORDINARIA DECIMA NONA COLOCAÇĀO….
    JÁ QUANDO O NOSSO GRANDE DESBRAVADOR , AQUELE QUE MOSTROU QUE O BRASILEIRO TEM GASOLINA NO SANGUE , CHICO LANDI , TAMBEM CONTOU COM DINHEIRO PUBLICO E INFLUENCIA DO PRESIDENTE GETULIO VARGAS PARA PODER GUIAR O QUINTO CARRO DA FERRARI DO COMENDADOR…
    O NOSSO MAIOR IDOLO O GRANDE AIRTON FEZ CONTRATOS OBSCUROS COM O BANCO NACIONAL , TIPO LEVA 300 ASSINA 2000….
    O PROPIO RATO COM A COPERSUCAR…
    GENTE TODOS OS NOSSOS PILOTOS QUE CHEGARAM LÁ TIVERAM APOIO DO GOVERNO OU DA FAMILIA , SENĀO , NĀO CHEGA LÁ…
    DE PATROCINIO COMUM NĀO ENTRA , ME LEMBRO DO AIRTON JÀ BI-CAMPEĀO ERA O PREFERIDO DA FERRARI , MAS O PROST CHEGOU COM PATROCINIO DO GOVERNO FRANCES E LEVOU A VAGA.
    SÒ ESSE MALUCO DO PIQUET QUE NĀO SEI DE NADA , ALEM DE CORRER ESCONDIDO DO PAI FOI PRA EUROPA E JA CHEGOU PEITANDO LAUDA DEPOIS MANSEL E QUE EU SAIBA SEMPRE COM PATROCINIO ITALIANO DA PARMALAT…
    SEI QUE TEVE OUTROS PATROCINIOS , MAS EU ESTOU FALANDO DE FORMULA 1.
    GENTE , DEIXA O VOVÔ MEXER OS PAUZINHOS DELE, QUALQUER UM FARIA ISSO PELO NETO , QUEM SABE DÁ CERTO….
    METE O CACETE NELES , PIETRO…..

  13. Talles Lima disse:

    Arô ?! Victonez ?! Arô ?! Oooooooooo !!!

    Mais um texto sensato e sem ufanismos !!! Mas aparecer na primeira página do UOL gera visitas de desacostumados com o jeito Victor Martins de responder os leitores… Hehehe

    Que continue assim !!!

  14. Victor Martins, acho que o Pietro Fittipaldi tem talento sim, mas também não podemos esquecer de Pedro Piquet e Sergio Sette Câmara. Falando no neto de Emerson Fittipaldi, ele teve muitas dificuldades desde aquele acidente onde ele se machucou seriamente e prejudicou seu desempenho. Porém a vaga na formula 3.5, deve dar a ele muita experiencia,pois ele saberá conduzir melhor seu carro e ao mesmo tempo, poderá aprender muito e desenvolver melhor o seu potencial.

  15. Sandro Karam disse:

    Eu acho que a maior parte das pessoas que comentaram aqui não conhecem e não acompanham o seu trabalho quinzenalmente em finais de semana da F1. Até pelo número de comentários que normalmente é bem menor. Não faz mal. Quantidade não é sinônimo de qualidade. Eu confesso que esperava mais dele, por já ter sido campeão na Nascar, ter ganho corridas na categoria anterior e ter sido cogitado para ser piloto da escola Ferrari. Talvez a equipe, que não era das melhores, a batida que machucou a mão e a pouca experiência em carros de fórmula, já que veio da Nascar, podem ter prejudicado. E o pior para ele é que esse ano o Piquet deve fazer uma grande temporada pois vai ter um carro desenhado pelo mago Adrian New

    • Luiz Ronaldo disse:

      Acho que você também não acompanha muito das categorias de base, amigo. Pietro foi campeão da F-Renault inglesa com 12 vitórias em 17 corridas. Foi contratado pela Ferrari em 2015 e ainda faz parte da academia de pilotos.

      E sim, a Fortec, equipe dele em 2015, não estava em boa forma.

  16. Joe Machado disse:

    DNA não garante sucessso. Aí esta o exemplo de Nicolas Prost, Mathias Lauda e do jovem Tambay no DTM.. Outra prova contundente da minha teoria é o proprio Jos Verstappen que era um piloto medíocre, nunca chegou a lugar nenhum mas o filho foi uma revelação. Se dinheiro valer alguma coisa o jovem Stroll está com a bola toda uma vez que é filho de um bilionáio canadense e dono de 5% da Williams e a caminho de comprar todas as ações em poder de Toto Wolff. Nào se deixem levar pelo nome Fittipaldi porque (me perdoem os jovens) se o Carlos Pace, que morreu num desastre aéreó estúpido, tivess tido a longevidade do Emerson tenho certeza que o resultado da história da F1 e piltotos brasileiros seria diferente.

  17. Zé Maria disse:

    Victor, seguinte:
    Aplaudindo de pé!
    Não que você precise disso!
    Perfeito em gênero, número e grau!
    Muito bom poder acompanhar, no meio dessa imprensa vendida e mal-intencionada (“grobo” et caterva. . .), alguém que, sem papas na língua e embasado em análises corretas e pertinentes, vem à público e bota a boca no trombone, sem medo de ser feliz!
    Congrats,
    Zé Maria
    PS: impressionante o número de incomodados com a verdade sobre PF!!

  18. Valter disse:

    Me parece um pouco precipitado afirmar que o Pietro é um piloto mediocre ou coisa parecida. Ganho a corrida de Dubai no campeonaro MRF Challenge ficando em primeiro lugar e com grandes chances de se tornar campeão , foi muito bem nos testes na Formula Renault World Series 3,5 V8 .
    Ainda é cedo e é leviando se afirmar que ele não tem potencial , visto que as mudanças de categoria são bastante significativas e existe um tempo para as devidas adaptações.
    Quem sabe daqui a uns 2 ou 3 anos seja possivel se fazer uma avaliação um pouco mais criteriosa.
    Meu caro reporter de tempo ao tempo, com certeza voce tb escreveu muita abobrinha e nao foi tão feliz no inicio da sua carreira profissional…

  19. André disse:

    Victor, não é bem assim, um ano mau não pode ser parâmetro pra julgar toda uma carreira, ou você se lembra como foi o primeiro ano do Nasr na extinta F-3 britânica?! Há de se ter calma, muita calma…especialmente porque o Pietro ganhou a F-Renault inglesa com 10 vitórias em 15 provas. Talento ele tem, agora, é nítido que precisa evoluir e aprender…e se formos falar em base também, Schumacher quando chegou à F-1 tinha ganhado o que na base?!

  20. Rafael disse:

    o que acha do nasser victor?

  21. André disse:

    Esse não é o que recebeu milhões de reais do Ministério dos Esportes, a título de fomentar novos talentos (como se a família dele já não tivesse grana suficiente para financiar a sua carreira), mas que não fala uma palavra em português e mal conhece (se é que já veio alguma vez a) o Brasil? Típico dessa república de bananas.

  22. Wagner Campos disse:

    A verdade dói, mas tem q ser dita. Acho q monopostos n é mesmo a do Fittipaldi, tivesse ficado na Nascar, onde parecia ter mais aptidão. Esse ano será importante pra mensurarmos o Pedro Piquet e o Sette-Camara, sobretudo o primeiro, q obviamente tem mais condições logísticas de pintar na F1, vejamos se em talento tb.

    Fora esses dois, n vejo mto além. Negrão na GP2? Sem condições.

    Perguntas:

    Há algum brasileiro além dos citados a se observar com relação a um futuro na F1?

    Quem transmite as provas da F3,5 e F3 européia aqui no Brasil?

    • Luiz Ronaldo disse:

      O Sérgio está mais na berlinda que o Pedro. É o segundo ano na F3. Se não mostrar serviço,a F1 vira um sonho distante, infelizmente. Porque o moleque tem qualidade.

    • Luiz Ronaldo disse:

      Cara… você está afirmando que o Pietro não tem talento pra monoposto sem ter visto UMA corrida de F3?

      Respondendo à pergunta, Sérgio Sette Câmara na F3, Bruno Bonifácio e Pipo Derani na Renault World Series, pra onde o Fittipaldi vai.

      E o bandsports transmite a F3 por aqui.

      • Wagner Campos disse:

        Valeu por ter respondido, pelo jeito o blogueiro só se preocupa em responder conhecidos ou se defender. Qto a n ter visto as corridas da F3, vejamos: O cara terminou o mundial em 17o, ter visto as corridas dele mudaria alguma coisa? Precisa ter visto o 7×1 do jogo do Brasil pra saber q o time foi uma merda? Qdo os resultados são mto ruins eles falam por si só.

        • Wagner Campos disse:

          Ah sim, e eu n afirmei nada, disse apenas q acho. Torço mto pra termos um piloto competitivo na F1, espero sinceramente estar errado qto ao Pietro.

  23. Fabiano disse:

    Victor. Entendi pelo seu texto que Pietro teve a oportunidade de mostrar talento, visto um grid tão aquém das expectativas. Também entendi que esse mesmo grid foi “empurrado” aos leões sem saber como lutar por conta do interesse de pais/ empresários. Esse baixo desempenho do Pietro se tornou mais contundente em comparação ao que fez em outras categorias, sem falar no sobrenome que além de abrir portas também pressiona. Sim, Pedro Piquet pode passar pela mesma situação, no final da temporada, torço para que possa aproveitar as oporrunidades. Ao Pietro, com esse resultado de 2015 não inspira confiança de que possa ter um ano melhor. Verstapen é uma grata surpresa, falta no grid um rapaz que possa fazer frente aos pilotos “compadres” da F1 atual e ele ao que parece tem raça, tem talento, agressividade e é rápido. Que sirva de exemplo. Um abraço e até a próxima.

  24. jose carlos da silva disse:

    Sabias palavras, infelizmente acredito que estamos longe de produzir um novo talento digno da historia construida no passado..
    Vamos passar muito tempo vivendo na saudade.

  25. kleber disse:

    Achei o texto do Vitor totalmente imparcial e sem ofensa a ninguem, somente seu comentário sobre o potencial dos atletas e seus sobrenomes…Gostei da matéria, espero ler mais sobre os futuros pilotos brasileiro e os que estão bombando ou decepcionando no exterior…abraço

  26. marcos disse:

    porque o pietro nao faz um teste na f1????????????????????
    o verstappen apareceu do nada e é muito bom piloto……………………….
    verstapen no gp dos estados unidos deu um show………………………

  27. Douglas Dias disse:

    Sobre o Pietro:

    Não acho 8 nem 80. A temporada dele não foi boa, mas é bom lembrar que as condições também não foram lá as ideais:

    - Como você mesmo afirma, o grid estava muito inchado. Tivemos várias corridas que foram o caos completo (o Stroll que o diga);
    - A Fortec não tinha carro para bater de frente com a Prema.

    Dito isso: a transição do Pietro do automobilismo americano para o europeu é muito estranha. Parece que estão apressando a carreira do moleque e os resultados não estão aparecendo como deveriam.

    • Luiz Ronaldo disse:

      Aí depende. Ele foi campeão da F-Renault inglesa com mais de 70% de aproveitamento em 2014. Primeiro ano em monopostos.

      Agora, que a F3 foi dura de assistir esse ano, foi. Monza e Spa então foram de chorar de rir. Num ano tão bagunçado, é difícil se sobressair. Só não entendo como o garoto foi cair na furada de correr por uma Fortec, com seus companheiros de Ferrari Academy correndo na Premá.

  28. Renato disse:

    Retiraram o cara de suas raizes que era a Nascar, lá talves, até poderia fazer algo. Estão tentando a todos custos, sobrenomes e apadrinhamentos chegar a F1, pode até acontecer, por todo o marketing em cima do nome, mas será simplesmente mais um!.

  29. Cícero disse:

    É pessoal. Lendo este texto de OPINIÃO, e os muitos comentários e repostas, lembrei de um ditado popular… Opínião é como bunda;… cada um tem a sua, e faz o quiser com ela. E o que o outro faz .. só diz respeito a ele..

  30. Bruno disse:

    Mas é bem isso aí mesmo… Ele ficou bem aquém do esperado neste ano…
    Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos :)

  31. LIMA disse:

    O Pedro Piquet na minha opinião será o grande nome da F1 nos próximos anos….. anotem aí…..

    • marcio disse:

      igual ao nelson angelo piquet, com certeza vai ter um muro pra ele.

    • Paulo disse:

      Anotar pra que? Pra depois tirar satisfação ou reconhecer que o grande e conhecido LIMA estava certo ou errado? Você é um anônimo. Não se anota nada do que você escreve ou deixa de escrever.

    • mauricio disse:

      O que posso dizer é que realmente pilotos com sobrenomes famosos hoje em dia tem mais facilidades para subir nas categorias e até mesmo em chegar a F1 , pois hoje em dia o talento não mais é o principal para o piloto e sim o valor e patrocínio que o mesmo pode atrair para aquipe. Falo isso pois desde adolescente pratico o kartismo , e já ví muito fenômeno não sair nem mesmo dessa categoria pois falta do principal ( $$$$ ) Em relação ao garoto Verstappen o mesmo veio do kart onde sim teve que mostrar talento para se destacar , mas chegando a F1 a realidade se mostrou ….Hoje não mais pilotos como nosso Senna ,Piquet , Mansel e etc podem se destacar apenas com seu talento , hoje os carros tem uma disparidade enorme entre sí , causado pelas grandes quantias de dinheiro para se projetar os conjuntos mirabolantes de tecnologia embarcada , então hoje o piloto que nem mesmo precisa tirar as mãos do volante p/ trocar as marchas e que tem um carro com sistema de largada automatico , controles e mapeamentos variados , não precisa mais ter um grande talento para ter sucesso e sim ( $$$ ) então mesmo um piloto tendo um talento enorme se não sentar num carro ideal , não vai se despontar , falo mais , se hoje nosso Senna e Piquet sentassem numa equipe como a Manor Racing garanto que não iriam fazer muita coisa , como fez o Senna pilotando e espantando o mundo na tolleman , pois naquela época o talento do piloto era mais de 50% do carro e hoje não passa de 20 % , coloquem o mesmo Vestappen na Mercedes e aposto que pelo menos 3 vitorias ele tira na temporada e isso se aplica a outros iniciantes também .

    • Pedrinho disse:

      Obrigado Papai !!!

  32. Wolmer disse:

    A vontade de ver de novo um brasileiro no alto do pódio é tanta, e principalmente com um sobrenome que nos trás boas recordações, que muitos acabam se esquecendo que ao contrário de características físicas, o talento nem sempre é hereditário. Torço para estar errado, mas o texto está corretíssimo.

  33. marcus disse:

    Caro Victor, confesso q é a 1a. vez q ouço falar do sr. Já tive intercâmbios com o Fabio Seixas, Carsughi, até o Galvão (c não me engano) no passado, mas, tudo bem… não posso julgá-lo contra ou a favor. Só posso falar dos meus mais d 40 anos de conhecimento de motorsport, e mais especificamente da F1. Baseado no q li aqui sou forçado a concordar com o espírito do q escrevestes. D fato, “talento” não pode NUNCA terminar em 17o. lugar um campeonato! Mas tem tb o outro lado da moeda. O tal Verstappen pelo q vi d sua performance na F1 *TB NÃO* é lá essas coisas, meu caro! (sinto muito) Tudo bem, sou “biased” pois tenho como ponto de referência aquele q foi o MAIOR GÊNIO de TODOS OS TEMPOS das pistas, um tal de Ayrton Senna. Mas para falarmos de talento temos q ver caras “tirando leite de pedra”, fazendo coisas na pista com o q tem q mostra d fato serem especiais. E nessa o Max tá deixando a desejar e NÃO é tudo isso, não. Agora, NOSSA maior frustração na vdd foi NUNCA termos visto o JP de Oliveira ir para a F1. ESSE SIM, podemos confirmar ser um tremendo talento. Até hj não entendi porq não chegou lá, pois lembro q qdo testou foi um assombro (como esperado). Estou convicto q c tivesse entrado teria feito história, ao menos similar ao do Alonso (no mínimo); uma pena. Enquanto isso vivemos essa… seca de REAL talentos no motorsport, fazer o q?… Mas estou já feliz por ter visto monstros como Senna, Prost, Mansell, Piquet e (sim) até o Schumacher q eu desconfiava q não era lá tudo isso, não (vide o pau q levou do Nico – uma vez rei NUNCA c pede a majestade!!! ;) ). Saudações, companheiro e boa sorte em sua profissão por aqui! Ontario, Canadá

  34. Marco disse:

    Voce falou, falou e falou, mas esqueceu de mencionar que ao mesmo tempo ele vinha disputando 3 campeonatos diferentes em 2015 e em um deles ele esta em 1º o MRF Challenge Formula 2000 Championship,porque omitir para garantir seu ponto de vista?

    • Victor disse:

      VM responde: Convenhamos… qual é a importância deste campeonato? É que nem o Palmeiras ganhar o Troféu lá do Uruguai e dizer que é favorito à Libertadores.

    • Luiz Ronaldo disse:

      Pra começar os campeonatos que o Fittipaldi disputou não foram paralelos. O MRF foi agora no fim do ano, e não quer dizer nada.

      Caso você tenha simplesmente olhado na wikipedia, o Masters de F3 não é um campeonato em si. É um fim de semana de corrida com os carros da categoria, mas numa etapa extra-oficial. Não conta pontos pro campeonato, mas é uma prova prestigiadíssimas. Tipo um GP de Macau.na Europa.

  35. Mozart disse:

    A Safra de pilotos brasileiros já acabou, faz tempo!!

  36. DANIEL disse:

    Sr Victor! Não sei de onde veio nem para onde vai, mas, sugíro dominar melhor os
    assuntos antes de querer debater ou expor suas idéias, acho prematuro avaliação definitiva sobre o garoto, parece que no brasil quanto mais falar mal, mais criticar parece dar ibope, não sou contra as críticas, mas devem estar inseridas em um contexto, porém o contexto no seu texto está faltando, porque não critica o massa que nunca foi piloto, o rubinho que ficou rico deixando o alemão passar e envergonhando a todos que torcem pelo brasil, que ja torceram pelo ayrton, piquet, Fitipaldi etc, o colunista que fica rebatendo posts, assina embaixo a qualidade ruim da matéria, é isso!

    • Victor disse:

      VM responde: Olá.

    • Luiz disse:

      Cara, o que tem a ver o seu comentário com o que o jornalista escreveu? Ele tem razão. O neto de Fittipaldi é muito ruim. Você deve ser parente da família ou é muito ignorante para entender as coisas.

      • Victor disse:

        VM responde: Calma, Luiz, não se irrite.

      • guilherme disse:

        Luiz, acho que se trata apenas no fã de automobilismo mediano no Brasil, que não admite que pessoas com certos sobrenomes sejam criticadas ou tenham seu talento questionado. Afinal, seu vasto conhecimento do esporte costuma se resumir às trasmnissões da RGT e, quando muito, Band, que em hipótese alguma vão deixar de endeusar qualquer piloto tupiniquim para não melindrar o ego frágil dos espectadores.

    • Moreno disse:

      @Daniel, entendo sua colocação. Mas sobrenome não garante. Vide os outros dois que passaram: Cristian Fitipaldi e o Nelsinho Piquet! O Rubinho, acredite, nessa idade já tinha mais titulos que o Sr. Pietro Fittipaldi. foi campeao nas categorias de base. Coisa que o Massa também foi e, lembre-se o Massa esteve a uma mangueira do titulo em 2008 e só não foi campeao, porque um outro sobrenome famoso, se vendeu ! ou seja, aquela corrida em que estava ganhando e ganharia em situacao normal, foi roubado! Seria campeao antecipado ou no minimo chegaria no Brasil com as duas maos na taça.
      Depois do acidente, ele (Massa) deixou de ser piloto, deve sair esse ano. Agora, esqueça a possibilidade de ter outro Senna ou Piquet. Foram 2 genios!! é como cobrar que tivessemos toda hora Pelés, Garrinchas, Rivelinos etc. Como aqueles só aparecem de 100 em 100 anos! Agora bons pilotos, só teremos mesmo quando tivermos uma categoria de base de monopostos no Brasil, coisa que não teremos tão cedo, a federação de Automobilismo do Brasil, consegue ser pior que a CBF ou algo assim! Para ficar ruim, teria que melhorar muito!
      Então, bom será não cair no merchã da TV que vai empurrar um sobrenome famoso, para ver se salva a audiencia, e é so assitir as corridas, verá que o esforçado reporter, nao deixa de ter uma certa razão. abraço

    • @WluizCarvalho disse:

      Vamos aos fatos:
      1. Pietro fez temporadas de medianas pra ruins em todas as categorias internacionais de fórmula que disputou. O texto afirma. Isso é um fato comprovado;
      2. Pedro vai passar pelas mesmas provações do Pietro e não tem afirmação no texto de que ele será bom ou ruim. Outro fato comprovado;
      3. Senna, Rubens e Massa foram bem sucedidos no começo de suas carreiras internacionais. Nisso não tem porque serem criticados. Mais um fato comprovado.
      4. O “… contexto inserido no contexto do texto…” pelo reclamante me parece está um pouco fora de contexto. Fato final.

    • Raul disse:

      Senhores, realmente fico chocado em ver que as discussões sobre automobilismo são mais acaloradas do que o questionamento da situação do nosso país. O jornalista em questão é um profissional e deve ser respeitado. Cada um pode e deve emitir sua opinião, mas sempre respeitando o limite de cada individuo. Me pergunto, se os senhores que estão reclamando, utilizam da mesma forma a palavra para exigir dos nosso políticos ao menos uma postura mais adequada, ou mesmo, mais integridade. Senhores, vamos concentrar nossos esforços em coisas sérias que realmente podem fazer a diferença na vida das pessoas. Esporte é lazer, é saudável, mas saúde, segurança e educação devem liderar a lista de prioridades dos brasileiros. Em tempo, brigar nunca resolveu nada.

      • Claudio disse:

        Não quer discutir o assunto então não posta. A pessoa discute o que ela quiser. Agora vem postar pra criticar quem é fã é ser muito inconveniente.

        • Álvaro disse:

          Correto Claudio. Esse pessoal quer que os comentários no blog de culinária se fale sobre Dilma, no blog de automobilismo se fale de política monetária, e no blog de beleza feminina se fale do japonês da federal. Sem chance! Se situem.

    • ANDRE SANTOS disse:

      Vai ser mais um piloto ruim,ficando rico as custas da formula 1 sem o menor talento preparo e capacidade de pilotar um veiculo cujo o maior piloto de todos os tempos esta nos corações de todos os Brasileiros.É lamentável o que o esporte no brasil e esta virando,filhos de esportista que já não tem o que fazer vai se aventurar nas pistas do mundo somente por ser filho de um piloto ou jogador de futebol quem sabe?.

    • jose henrique disse:

      caro daniel,ter opinião e saudavel mas dai acusar rubinho de ficar rico deixando alemão passar esquecendo que ele deu muito pau no alemão principalmente as 6feiras ou dizer que o massa não é piloto é no minimo leviano a menos que vc seja daqueles que acreditarm no galvão bueno que colocou um dos maiores pilotos brasileiros como vilão NELSON PIQUET contra o ayrton senna o falso bonzinho que não atendia crianças no autodromo. meu caro o EMERSON ao meu ver junto com o grande JOSE CARLOS PACE o”moco” foram os grandes e eternos nomes do automobilismo nacional junto a outros como roberto “pupo” moreno que sem recursos correu contra um mauricio gugelmim com recursos, um luis pereira bueno ou ingo hoffmam que correram tb sem grana em uma formula 1 precaria ou mesmo o wilsinho que teve peito pra construir um f1 no quintal de casa.esses caras tem que encher a gente de orgulho e parar com esse complexo de vira latas.vamos torcer mas sem perder a razão!

  37. Guilherme disse:

    Como já disseram, as atenções estão voltados para os que possuem sobrenome, acredito que o Sergio Sette Camara irá surpreender a todos. Anotem aí!

  38. Bruno disse:

    Primeiro meus parabéns de ter coragem de escrever isso, porque a pachecada fica doida quando fala de piloto brasileiro, ainda mais com sobrenome de ídolo.

    Segundo, no automobilismo o que conta são os resultados, e se você não os tem, vai pro vinagre uma hora ou outra.

    Terceiro, o rapaz é na verdade um cidadão norte americano, que possui a cidadania brasileira por meio do jus sanguini, porque nasceu em Miami, e sempre viveu por lá! Então sinceramente, na minha opinião ele não representa em nada nosso país, assim como a maioria dos pilotos que chegam nesse nível, que são pessoas que vem de uma outra realidade, de famílias abastadas e milionárias que não entendem e nem sabem da realidade do país. O Pietro só é brasileiro para os patrocinadores e pra se inscrever nas competições,

  39. Hádam Lima disse:

    Victor, pelo visto parece que mexeu num vespeiro…rsrs Deixando isso de lado, qual dos brasileiros atualmente nas ‘categorias de base’ você considera mais promissor? Quanto ao Verstappen, acha que tem potencial para vir a disputar título? Abraço

    • Victor disse:

      VM responde: Hádam, gostei muito da temporada do Sette Câmara. Mas ainda também tem de mostrar serviço e ganhar quilometragem e bagagem. Quanto ao Verstappen, sim, o moleque é bom demais. Maior talento que surgiu nos últimos tempos. Abs

      • Bruno disse:

        Muito superestimado o Verstappen, assim como Betel, e fugindo um pouco do automobilistico, como o Neymar no futebol, temos ótimos pilotos despontando, o próprio Sainz, Nars, Vandoorne, que deve chegar em 2017, acho que esse Verstappen é muita propaganda por causa da idade, posso queimar a língua mas….

        • Victor disse:

          VM responde: Curti o Betel – que fez um campeonato medíocre em 2014 e foi criticado por tal.

        • Douglas disse:

          O Sainz que tomou uma sova do Verstappen em 2015?

          O cara fez quase 3x mais pontos que seu companheiro de equipe (ambos em temporada de estreia). Foi sim um belo cartão de visitas. Se daí vai ser campeão um dia? Nem sonho falar que tal. Seria uma precipitação monstra. Basta lembrar o Kubica, Hulkenberg, Grosjean, Bourdais… (só para citar os mais recentes). Todos pintaram como a próxima grande estrela, todos fracassaram (por um motivo ou outro).

  40. Fábio Guimarães disse:

    Esse Pietro é aquele neto do Emerson que vive nos EUA e que o vovôzinho dele pegou 1 milhão de reais (se não me engano) como programa de incentivo ao esporte, pra ele correr na Nascar? Como se a família Fittipaldi precisasse disso. Decepção com a atitude do avô e agora o neto mostra que não passa de um sobrenome famoso.

    • RICK disse:

      Vc estah certissimo. O unico problema eh que eu acho que nao foi um milhao de reais.. e sim UM MILHAO DE DOLARES convertido claro. Como tudo no Brasil, isso foi abafado e caiu no esquecimento. Antes disto eu tinha ateh algum respeito pelo Emerson Fittipaldi, depois disso, pra mim Fittipaldi & familia…

    • RICK disse:

      AHH.. . outra coisa… Esse tal de Pietro nao soh mora nos EUA como tb nasceu nos EUA. Ele nem brasileiro eh… kkkkkkkkk,,,, eta Brasil

  41. Luís disse:

    Vitor Martins, me chamou a atenção a sua coragem em responder alguns dos posts, mas ao mesmo tempo reparei que só respondeu os mais agressivos com você. Os elogios você deu de ombros. Receba um afago na sua alma rapaz, menos ironia nas próximas vezes. Quem escreve artigos está sujeito à críticas, se não está preparado para aceitá-las então pega o boné e vaza …

  42. Antonio Roberto disse:

    O achismo, naturalmente desprovido de conhecimento técnico, é um dos fatores que mais torna os sites e blogs de F1 sem graça. E com isso, para nós brasileiros, a F1 vai também perdendo a graça… Já não basta o campeonato de marcas que a categoria se tornou… Em regra, temos sempre alguém da pretensa mídia especializada dizendo asneiras… Ninguém consegue produzir um matéria técnica… Ninguém surpreende os leitoras com um furo de notícia… Ficamos só traduzindo (e mal) os que os sites de F1 dizem… Sobra o achismo.

    • Victor disse:

      VM responde: Acho que você está errado.

      • Frede69 disse:

        hehehe, eu também acho!!
        não conheço teu trabalho, ou se conheço não sabia da autoria. mas mesmo assim no tanto que eu li, posso acreditar que se aproxima da realidade.
        e o pior que para o neto correr, foram atrás de captação de recursos. como se não tivessem capacidade para isso, ou não acreditassem nele,

      • Luiz Ronaldo disse:

        Difícil tecer comentários técnicos sobre uma categoria que teve corridas encerradas antes da hora por insuficiência técnica. huahuahahua

  43. Lucas Cunha disse:

    Pq ao invés de massacrar a matéria, a gente não se atenta aos fatos? O Pietro tem expectativa pelo grande sobrenome, mas caiu de produção com o tempo, mas isso não quer dizer q ele tenha um futuro ruim no automobilismo. O Jenson Button por exemplo, já era um piloto desacreditado na F1, quando foi campeão pela Brawn em 2009. Já o Sérgio Sette Camara tá voando, tá numa boa fase, mas não adianta se ele fizer escolhas erradas no caminho (com ele sendo apadrinhado pela Red Bull, ele deve aproveitar ao maximo essa oportunidade). Acho tudo muito relativo e só o tempo vai dizer qual será realmente o futuro do Pietro, do Pedro Piquet , do Sette Camara, e vários deles q tentam algum lugar ao sol no automobilismo.

  44. Fabio disse:

    Gostaria muito de acreditar em mudanças neste país que está afundando em denuncias de corrupção e descaso com o dinheiro público… Isto é um desabafo para falar que também estamos em deficit de pessoas dignas, de pessoas corretas na própria sociedade que se corrompe na hora de ir ao cinema (utilizando carteirinha de estudante falsa)…é ainda mais triste em saber que nunca mais assistiremos a um campeonato (independente do esporte – corrida, futebol, e agora tb no tenis) que não tenha corrupção (ou por dinheiro ou por influência – como ocorre neste esporte de elite). Parabéns Victor pela matéria! Sucesso e dedicação.

  45. GPL disse:

    Ué, mas esse neto do Fittipaldi não é aquele que é patrocinado pelo dinheiro do imposto suado de nós reles mortais trabalhadores?

  46. Rafael Rangel disse:

    Concordo com o texto , piloto fraco.
    Terá sorte se conseguir uma vaga nas Marussias e Saubers da vida na F1 e ainda assim será por causa do seu nome .

  47. Marco Brito disse:

    Concordo parcialmente com seu comentário Victor, no entanto esse seu ar de arrogância comentando os posts me deixou decepcionado… Se estás contente com o lugar que querias chegar profissionalmente, ok… Mas se queres alçar vôos maiores, pense em ser um pouco mais humilde…
    Reflita!
    Abraço.

    • Victor disse:

      VM responde: Tô contente e orgulhoso, Marco. Abs.

    • guilherme disse:

      Você tem razão, Marco. Se o Victor pretende um dia estrelar o time da Globo, por exemplo, precisa começar a treinar deixar os fatos de lado e a endeusar todo e qualquer brasileiro que se aventure no cenário esportivo internacional, independentemente do real talento que apresente — ou não.

      Ou, claro, ele pode continuar satisfeito em reportar a verdade de forma imparcial, mesmo que isso atinja o ego frágil de brasileiros carentes por ídolos infalíveis.

      • Victor disse:

        VM responde: Não pretendo, Guilherme. Se me chamarem, vou estudar o convite, claro, mas sem deixar os fatos de lado, como você colocou. Seu ponto está correto. Abs.

  48. Rogerio disse:

    É a internet continua formando “pitaqueiros” de tudo quanto é assunto, que adoram explicitar sua sapiência comentando textos rede a fora.

  49. Claudio disse:

    Victor parece que as pessoas não gostam de ouvir verdades! Continue sendo realista!

  50. André disse:

    Até concordo que o Pietro ficou abaixo da expectativa, mas Verstappen é fenômeno? O que ele fez até agora na F1? Vamos com calma, né… Não acho que detonar numa categoria é certeza de detonar em todas, assim como acho que um ano ruim não significa ser ruim. Que piloto nunca teve um ano ruim, seja a categoria que for? Nunca temos certeza dos meandros pra chegar até a F1, ou seja em qual apice de categoria for, portanto não dá pra afirmar nada sobre A ou B.

    • Victor disse:

      VM responde: Sobre Verstappen, sim, é. E não sou só eu que digo, André. Sobre Pietro: teve ano ruim num campeonato de pilotos muito ruins. Daí ter de mostrar seu talento pelo que (não) fez no ano passado. Abs.

  51. Frank disse:

    Victor, podemos ter esperanças de, algum dia, termos pilotos com possibilidade de título?

  52. Gabriel disse:

    Max Verstappen um fenômeno? Conte-me mais sobre o Ronaldo!

  53. Ricardo disse:

    Qual o interesse de um jornalista brasileiro queimar promessas em um momento tão difícil , as empresas brasileiras não viraram as costas para apoiar o automobilismo , mas é preciso mais responsabilidade nos seus comentários Victor , infelizmente , você foi mal.

    • Victor disse:

      VM responde: Estou triste com esta inquisição. Mas dou uma dica: escrever a realidade para o público, ainda que seja brasileiro.

      • Marcelo disse:

        Nem sei o que falar a você, pois como a maioria dos jornalistas e não entendem nada de nada e escrevem sobre tudo… Pietro foi campeão aos 15 anos de idade em uma categoria disputada por pilotos mais velhos, é o único campeão latino americano da Nascar, isso aconteceu em 2011, foi campeão da formula Renault no ano seguinte, e se não me engano venceu quase todas as corridas e subiu no pódio em todas, se não me engano… mudar de carro e categoria é muito difícil, principalmente para alguém tão jovem que não tem tanta km assim…. As vezes é melhor ficar calado e manter a dúvida se é um idiota, do que abrir a boca e eliminar por completo a dúvida… Se vai ser campeão ou não não sabemos, Damon Hill foi campeão!!! Agora quem é você para determinar que o garoto não tem talento, você ja acompanhou a telemetria de suas voltas, comparou com tempos de pilotos com mesmo carro, acompanhou a carreira dele desde cedo? Cara, faz um favor a nós poupe nos de seus textos… pois este será o último que vou ler….

        • Victor disse:

          VM responde: Ainda bem que pago um plano de saúde para poder consultar um terapeuta diante desta informação tão avassaladora.

        • Carlos disse:

          Marcelo,

          Lendo o final do último parágrafo, não fica a impressão de que o texto considerava toda a carreira do piloto, ou que jogava uma pá de cal na sua carreira: “Porque Fittipaldi não é Verstappen. E pelo que guiou em 2015, está longe de ser. Muito longe”.

          Pelo que guiou em 2015!

          Bem, essa é minha opinião.

          • Victor disse:

            VM responde: Ainda há vida inteligente nos comentários.

          • MB disse:

            Pena que nem sempre existe vida inteligente em quem escreve os artigos, senão as respostas do autor teriam sido mais balanceadas e claras, defendendo seu ponto de vista, ao invés de malcriadas e irônicas.

          • Victor disse:

            VM responde: Dsclp, caríssimo, se te ofendi – mas meu ponto de vista tá no texto já. Abs.

      • Marcelo Silva disse:

        Você reclama de inquisição mas jogou o menino na fogueira por conta de um único ano razoável

  54. Luciana disse:

    Eu acho que classificar como “talentoso” ou “não talentoso” nos dias de hoje muito difícil, Temos diversos casos de pilotos que se mantém por outras questões que não a da competência, por exemplo.
    Mesmo da Fórmula 1, ao longo da história temos “meros” figurantes e, em alguns casos pilotos que colocam em risco a vida de outros. Meu exemplo atual é o Pastor Maldonado.
    No caso de Pietro ele entrou para os monopostos há apenas 3 anos, competindo com outros que tem experiência de anos nos monopostos. A diferença é muito grande. Acho que prudência é importante. Vamos aguardar.

    • luigi disse:

      Cara Luciana ,você deve ser muito jovem e talvez desconheça que a muito tempo (1961) um piloto que havia estreado em 1960 ,provocou um acidente no GP de Monza de 1961 ,tentando uma ultrapassagem múltipla na entrada da parabólica , matando o virtual campeão de 1961 Wolfgang Von Trips ,piloto da Ferrari e mais 15 espectadores ,e este piloto viria a ser ( com muito mérito) considerado a mais alguns anos como um dos melhores pilotos de todos os tempos , ele chamava-se Jim Clark , o ano passado ouvi e li gente “especializada ” metendo o pau no Vestasppinho e no Maldonado por manobras arriscadas e ultrapassagem mal sucedida ,mas parece que estes “especialista esquecem da história ou fingem desconhecer puramente para “causar” espécie , Mas quanto ao mais jovem Fittipaldi não sabemos o que irá acontecer ,pode ser que nada ou pode vir a ser um piloto com vitórias , talvez fosse bom esperar para saber daqui mais alguns anos , para não pagar o mesmo ‘MICO” que pagou aquele jurado que quando Elvis era calouro o gongou ,ele e a família pagaram o resto da vida pela “Abalizada opinião contraria a capacidade do cantor”. Como já disse um sujeito “Só o tempo é o senhor da verdade”.
      Saúde e felicidades a ti e a tu família !

  55. wandelei disse:

    Tem um monte de gente falando de F1, Moto GP; entre outras, e não sabe nem a pontuação das corridas. Imprensa é puro achismo, com raras exceções. Prefiro esperar um pouco mais.

  56. GILMAR N BASTOS disse:

    AS PESSOAS QUE NÃO CONHECE OS TALENTOS DOS DOIS , ESCREVERON BOBAGENS. ESPERON NA PISTA QUE VOCES VAM VER QUE ESSES TEM TALENTO E NÃO E SÓ NO NOME E PARA ALEGRAR OS NOSSOS DOMIGOS |

  57. Will disse:

    Blogueiro mal intencionado e parcial, no automobilismo deve-se comentar com comedimento e conhecimento técnico, desqualifica o piloto e os leitores, seria melhor escrever sobre futebol…

  58. L. Guilherme disse:

    Temos que admitir que Emerson Fittipaldi, assim como Nelson Piquet e Airton Senna são talentos únicos e , infelizmente, talento não é hereditário! Trabalho ha 40 anos com Engenheiros e Arquitetos de renome e nesse tempo conheci profissionais extremamente talentosos. Os filhos , que hoje assumiram as empresas de seus pais, são profissionais muito bons, é claro. Genialidade , entretanto, é uma qualidade que não pode ser transmitida genéticamente !

  59. O Pietro nunca me pareceu um enorme talento. Mas o Pedro Piquet, sei não. Acho que ele é mais que “ter o melhor carro porque papai comprou”. Vamos esperar pra ver…

    PS: O Sette-Câmara foi muito melhor que eu pensava. Pode ir longe, mesmo sem a badalação dos sobrenomes famosos.

  60. John Player disse:

    Ainda é muio cedo para dizer que “não tem talento o suficiente” ou “talentoso demais”.
    O problema de alguns brasileiros é essa ‘pobreza’ mental de condenar qualquer um que nasceu em família com $$$ ou sobrenome. Pecado mortal.
    Milhões de ‘teorias’ para explicar esse sentimento, mas no fundo não precisa ser um Freud para definir: INVEJA.
    Deixem de secar os moleques.
    Querem o quê? Um campeão de F1 vindo de uma família do MST, da Rocinha? Agradariam mais, dariam mais confortes áqueles que “não tem sobrenome nem $$$” como nós?
    A verdade é que não dá pra fugir da realidade, da prova do talento na pista, mesmo com a grana e atenção de um sobrenome que ajuda muito na hora do patrocínio, da oportunidade.
    Não acompanho o inicio da carreira do neto de Fittipaldi. Mas pelo que li nesse coluna, acho que tem pouca coisa a ver (NADA) com os resultados obtido pelo Pedro Piquet. Tem o apoio do pai, do sobrenome que atrai atenção e patrocínio, da $$$ QUE O PAI CONQUISTOU HONESTAMENTE E COM O PRÓRPIO SUOR E TALENTO sem se vender ás organizações Globo por “exclusividade” entre outras coisas.
    Só queria saber se faziam/fizeram/fazem esse questionamento sobre o talento do Bruno SENNA. Que de Senna não tem nada, nem no RG…
    Chegou até a F1, agora na F-E, já esteve em outras categorias…E DAÍ? Que resultados?
    Emerson Fittipaldi é a prova que, realmente, Verstappen NUNCA SERÁ FITTIPALDI.
    Já viram como o Jo (pai) trata o filho (Max)?
    Deem tempo aos moleques. E menos recalque com a grana alheia, por favor.

    • Victor disse:

      VM responde: Do que entendi, resta a pergunta: o que tem a ver Pietro com os resultados do Pedro Piquet?

    • BRANCÃO SJC disse:

      PIETRO conquistou, aos 15 ANOS de idade, o título de 2011 do campeonato norte-americano na categoria Limited Late Model da Nascar, com TODA A CERTEZA, TEM MAIS TALENTO do que sua crítica. Hoje no alto dos seus 19 anos, está sim ganhando conhecimento nas novas categorias que está abraçando. VOCÊ QUERER que ele seja um Verstappen, é bobagem! Ele é Pietro, assim com VICTOR não é REGINALDO. Quem sabe um dia….

  61. Luiz Vaz disse:

    Me parece que a crítica é mais contundente por ser neto de quem é. Vi ele pilotando nos EUA em disputa com adultos e se saiu bem. Difícil falar sabendo apenas o resultado. Enfim, quero acreditar que vc analisou as corridas (e as eventuais asneiras) e não somente os resultados, pois isso é muito limitado para um juízo de valor a respeito de um piloto. E concordo com tua visão a respeito das categorias de “base”. Piloto ficar 5 anos ocupando vaga em categoria de acesso não faz sentido. Devia ser limitado a 3 temporadas ou por idade. A GP2 é outro caso, pois temos ali pilotos fazendo carreira (o Cecotto chega a ser hilário se não tivesse colocado tanto piloto bom na brita). abs

  62. Bernardo Ferraro disse:

    Realmente o Pietro ainda esta por ser lapidado, mas com certeza ista lapidação não vai demorar muito , ele é MUIIIITOOO TALENTOSO. e O Verstappen é que teve muita sorte de pegar a formula 1 ( minusculo mesmo) fraquíssima.

  63. giovani gomes costa disse:

    O neto de Emerson, tem talento e caiu na equipe errada. O Pedro Piquet é um fenômeno e será destaque em qualquer categoria que correr. basta aguardar.

  64. Sergio disse:

    Perfeito o texto!
    Aliás, sugiro um post sobre os brasileiros que correrão no exterior em 2016. Precisamos nutrir esperanças, meu caro VM!

  65. Andre Navarro disse:

    Se isso é o que tem de melhor para tentar erguer a bandeira do Brasil na F1 no futuro… então ferrou! Sério, é realmente tão difícil achar alguém com “sangue nos olhos e faca no dentes”, que queira ser campeão, o melhor entre seus adversários, e escrever seu nome na história como sinônimo de talento e raça…. ou será que é tudo marmelada, que os conceitos estão todos errados, e os valores foram todos perdidos?

  66. Marco disse:

    Mas o dinheiro o vovô espertinho levou, se fosse família tão abastada como escreveu não teria feito essa maracutaia.

  67. orlando disse:

    Descordo do seu artigo, por sinal muito mal elaborado e mal pesquisado. Pietro e uma promessa e das boas, assim como o filho do nosso tri-campeão Nelson. Pesquise melhor.

  68. Wagner Luiz de Araujo disse:

    Perdemos um futuro brasileiro na NASCAR, a sua carreira ia bem e com certeza iria chegar muito bem prepara do na Truck series.
    Creio que o avô forçou a barra e agora o neto vai pagar a conta.

    • Carlos disse:

      Disse tudo Wagner

    • Luiz Andrade disse:

      Matou a charada.
      Vovô achou melhor ser mais um no BBB da globo do que ser a estrela principal na FOX Sports.
      Se demorar pra mudar de lado do Atlântico vai acabar perdendo o bonde da NASCAR.

    • marcus disse:

      “Futuro” (SIC) na NASCAR, Truck Series??? C tá falando sério, meu? :S
      Como dizemos em ingles, who cares about NASCAR e Truck?! Séries ridículas, medíocres. Quer ver talento nas pistas? Então c só os verá em F1, Indy (talvez), World Series, FE, F3, F2, GP2, e semelhantes. Sou mais ser mid-grid nessas categorias q virar um “Richard Petty” (com todo respeito a esse q foi UM fenômeno, único, e q deveria ter ido pra Indy, no mínimo, enfim…) numa NASCAR. Saudações.

      • Luiz Marcondes disse:

        Milhões de norte-americanos “care a lot about Nascar and don’t give a shit” para F1, FE, etc

        • Marcus disse:

          Caro Luiz, primeiro inferi na minha mensagem q falei de BRASILEIROS!!!
          Segundo, embora americano se importe, claro, com tais categorias medíocres, FATO, piloto fera SÓ nas categorias q mencionei (com RARISSIMAS exceções, como foi o meu reconhecimento sobre o Richard Petty). Sem contar q desde qdo o q o PÚBLICO americano “cares about” é parâmetro para o q realmente importa? Vide o desgraçado do futebol americano e beisebol, outras duas mediocridades (já chega eu ter q aturar essas duas barbaridades morando por aqui no Canadá – ufa… ao menos tem o hóquei, q, esse sim, presta! :) ). Se eles são cegos o suficientes pra ignorar F1, futebol e outros esportes nobres, a perda é SÓ DELES, meu caro! ;)
          Respeitosamente,

          • Luiz Andrade disse:

            Futebol…. NOBRE ???? Tá bom…A F1 tá top pra caramba né ??? ….volta pro esporte espetacular amigo…E a NASCAR É SHOW SIM…Assim como a NFL a NBA e a MLB… assina uma tv a cabo que vc vai ter acesso a outros esportes…Recomendo. Abraço…

    • Leandro disse:

      Em relação ao Pietro, sempre tive a impressão que ele errou ao deixar os EUA para ir à Europa. Havia começado bem a carreira, ganhando um título e ficando entre os 5 primeiros na Nascar Whelen em seus dois primeiros anos. Acredito que teria um futuro promissor na Nascar.

      • luigi disse:

        Leandro meu caro , talvez eu esteja errado mas , correr nos E U A seria o equivalente a jogar futebol na China ,ganha-se muito dinheiro mas como atletas ou esportista (piloto é esportista e não atleta ,embora tenha que ter condição atlética para pilotar) mas ficara conhecido muito pouco fora do país , só em caso muito extraordinário ,na mina opinião (que até prova em contrario )

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>