MENU

1 de fevereiro de 2016 - 15:11F1

A falta que Maldonado vai fazer

SÃO PAULO | Jamais seria o melhor piloto e, para muitos, era o pior que o grid da F1 vinha tendo em anos.

Maldonado pagou o preço de seu exagero: para tentar ser bom e mostrar que ali havia algum talento, ia além do que podia. Era quase impossível vê-lo duas ou três provas sem um incidente ou acidente de proporções ‘maldonadianas’.

Mesmo pior, o venezuelano ganhou uma corrida com maestria com uma Williams que estava longe de ser a melhor do grid, segurando um Alonso com uma Ferrari potente correndo diante de sua torcida. Mas diante de suas trapalhadas, quem é que vai se preocupar em lembrar deste triunfo?

Mas não se pode dizer que o coitado tivesse em fase de evolução, ainda que não fosse possível acompanhar tão de perto. Nas últimas sete provas do ano passado, terminou seis e fez pontos em três. Só na última em Abu Dhabi que abandonou, vítima de um Alonso já em ritmo de acaba-logo-essa-agrura.

Hoje, Maldonado confirmou que o dinheiro da PDVSA que o bancava na Lotus, agora Renault, não é o suficiente para mantê-lo. É Magnussen quem vai ocupar seu lugar.

Não era o pior, no fim das contas, mas ainda assim conseguiu deixar sua marca. Maldonado era o mais próximo de nós, humanos, suscetíveis a erros, e acabava sendo um showman sem o querer ser — ou não da forma que gostaria. Nesta F1 tão inacessível e pasteurizada, era um diferencial, um personagem das corridas de quem esperávamos um papel. E quantas não foram as vezes que Pastor deu uma animada ou mudou o rumo dos GPs.

A gente ainda vai acabar sentindo falta de Maldonado.

26 comentários

  1. Paulo Aidar disse:

    Quando se chega ao ponto de avaliar que Maldonado pode fazer falta a categoria é porque a mesma está agonizando. Idolos, mitos, etc, são fabricados a todo momento, e sucumbem ante a propria mediocridade. Maldonado e Kamui Kobayashi são apenas mais dois deles.

  2. David Felix Krapp disse:

    De Cesaris… ???

    Acho que não, temos que respeitar um pouco mais o italiano, pra mim ele foi Gregor Foitek da nossa geração…

  3. Edson disse:

    Um contra ponto, Mansel era talentoso, trapalhão e divertido assisti-lo.

  4. Alfredo disse:

    Em um país que pasta de dente custa R$ 1500,00, e que a ministra da saúde fala em escovar os dentes uma vez ao dia….. O que esperar ? F1?, esses bolivariamos vão secar até o mar, vaza ! Já foi tarde.

  5. Celio Ferreira disse:

    EU NÃO…….

  6. Luca disse:

    Falta faz um Kubica, alí sim era talento e show garantido, mas um cangueiro destes, que venceu o GP DA ESPANHA 2012 na sorte….francamente..já vai tarde….
    KUBICA DEIXOU UMA LACUNA NA F1 e certamente iria para Ferrari, o acidente no Rally acabou com os sonhos dele..
    esse “MAL DANADO” será apenas mais 1 que se foi.

  7. R. CASAGRANDE disse:

    Muita, muita falta mesmo. Alguém de personalidade no grid, que nunca teve medo de arriscar e ir até o limite. Isso é o que um piloto deve fazer. Se cometeu muitos erros, também é verdade que deu azar, porque o carro quebrou em momentos em que ele vinha bem. Em Spa, Pastor estava à frente do Grosjean. Quem sabe um dia ele retorne, como o Kimi. É claro, são situações diferentes, mas tudo é possível. Ao menos, ele realizou um sonho, e acredito que representou muito bem a Venezuela, deu alegrias a um povo que há muito sofre com os problemas de lá. Vai deixar saudades aquela Lotus preta #13, soltando faísca e disputando posições com todo mundo

  8. Gilmar disse:

    A fórmula 1 acaba de se tornar mais chata ainda, se é que isso é possível.

  9. Pdr Rms disse:

    Lembro de um post seu na epoca que ele corria de GP2 considerando-o como o pior piloto entre todas as categorias rsrs…. Mas ele realmente evoluiu e hoje acho que ninguem pensaria dessa forma. Talvez até fosse um dos piores do grid da F1 mas a categoria já está chata demais e pelo menos ficaria um pouco mais interessante com ele. Melhor que o Chilton ele é, então pelo menos podia pingar uma Marussia para ele.

  10. David Santos disse:

    Sinceramente… que vá tarde!!!!

  11. Anselmo Coyote disse:

    A minha utopia é que todo piloto tivesse a oportunidade de correr com o melhor carro pelo menos meia temporada e mostrar que sabe pelo menos explorar o equipamento, como Vettel, Button, Hamilton ou se é ruim mesmo, como Webber e Rubinho. Poderia ainda ser vice, bem colado no primeiro, tendo em vista que as equipes tem primeiro e segundo piloto, principalmente a Ferrari.
    Mas o que a acontece é que não importa mais o que o piloto faz ou faria e sim o dinheiro que ele leva. Assim sendo, ficamos sem parâmetro. Quantos pilotos bons poderiam entrar na F1 e desbancar essa turminha que está aí andando em carros voadores ou pagando para andar em carroças?
    Abs.

    • Evandro Garcia disse:

      Na verdade muitos campeões da F-1 fizeram grandes corridas em carros inferiores, alguns ganharam corridas, outros fizeram grandes apresentações sem vencer e depois ocuparam bons acentos em excelentes carros, claro que se tivessem a oportunidade de pilotar um excelente carro a chance e infinitamente maior,assim como o Hamilton que jamais pilotou um carro extremamente ruim, mas a grande maioria dos grandes campeões começaram em carros inferiores e chegaram ao topo, atualmente é muito dificil ver vitórias de pilotos em carros muito inferiores, grandes apresentações sim, como Felipe Nasr e Max verstapen, em 2015, aliás depois de Maldonado com a Willians não me lembro de mais ninguém vencer, mas ganhar nem sempre define um futuro campeão, Maldonado é a prova viva disso, Maldonado vai, mas outros virão!

    • Gondo disse:

      Estar no melhor carro não define muita coisa. Dois pilotos muito bons podem estar no mesmo carro e um deles irá se destacar. Seja por seus próprios meios ou por questão estratégica da equipe. Simples assim. Se quiser usar a Brawn GP ou a Red Bull como referencia tudo bem. Mas use a McLaren. Se o seu conceito estiver certo, Senna era um piloto bom e Prost era um piloto medíocre. E no outro ano o contrario. Ou no caso da Ferrari. Alonso era um piloto bom e de repente não é mais. Infelizmente a sua utopia não funcionaria. O que funcionaria é regras mais simples, mais mecânica e menos tecnologia. Carros de corrida não são aviões para serem copilotados por computadores o tempo todo.

  12. Ricardo disse:

    Vamos sentir falta mas acredito que passará rápido.

  13. Estevão disse:

    Rapaz, pensando por esse lado – o da proximidade de nós, seres humanos normais – sentiremos falta, sim, de Maldonado.

  14. Bruno Cardoso disse:

    A F1 perde “um Maldonado” a cada mudança de regulamento.

  15. Jean Rulj disse:

    Foi o De Cesaris de sua era. O antiheroi que adorávamos esculachar, mas por quem secretamente torcíamos. E vai ser substituído por mais um piloto sem sal…

    • Dennis disse:

      A comparação com De Cesaris é inevitável, mas o italiano tinha mais braço e menos cabeça ainda.
      Se o Maldonado corresse nos anos 80 (ou início dos 90) não seria lembrado nem por esse lado mais “humano” que o Victor destaca,

  16. Juarez disse:

    Já sinto, desde já. Sempre o defendi. Quem vence merece crédito. Vencer para mim e um corte absoluto. Quem venceu é melhor que quem não venceu. Sempre o achei bom quando comparava o que ele fez frente a Barrichello em 2011 e o que Hulkenberg fez contra Rubens em 2010. Maldonado deu sufoco nas classificações. Uma pena, pois a F1 perde talvez aquele que mais simbolize o verdadeiro espirito de corredor. Esta F1, miope, que sai de seus centros históricos, que luta contra seu histórico vanguardista e que inibe o espírito combativo. Tá faltando gente na F1, ou seja, falta tudo.

  17. Marcelo disse:

    Nunca engoli a vitória em Barcelona, depois de Cingapura 2008 tudo é possível na F1.

  18. Ramatís disse:

    Vai fazer falta mesmo… de maneira alguma era um dos piores do grid (tá certo que era atrapalhado e fanfarrão em algumas oportunidades), mas muitos pilotos eram assim antes de amadurecer, tais como Nico Rosberg e Jenson Button, que hoje são rotulados como altamente técnicos. Com um carro na mão, tenho plena certeza que ele derrotaria facilmente por exemplo, o quarteto da RBR-STR, que não apostaria minhas fichas em nenhum dos quatro nessa F1 carente de pilotos aguerridos e de personalidade…. ainda bem que não tiraram o Grosjean ainda, outro piloto puro sangue, na minha humilde opinião. Esses pilotos da F1 atual politicamente corretos, aiai viu …

  19. Douglas disse:

    Ele era o único piloto que arriscava tudo, era muito arrojado. Com certeza a F1 perde muito de seu lado humano com a saída dele. Fala sério, qual a graça de ver um piloto como o Button pilotar, é no esquema de andar no ritmo de segurança, não se envolver em incidentes, e talvez com um pouco de sorte marcar bons pontos, Maldonado com toda a certeza não era desse tipo que se acomodava fácil.

  20. paulo z disse:

    vai fazer falta mesmo…

  21. Mickey disse:

    Concordo que fará falta. É um cara meio fanfarrão, tudo bem. Pelo menos, arriscava alguma coisa.

    Qualquer crítica pode ser rebatida com um “… mas venceu uma corrida”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>